sexta-feira, 31 de dezembro de 2010

Rapidinha

Regada a muita vodka com suco, deixo essa rapidinha faltando 1:30 para o começo de 2011.
Feliz ano novo, blá blá blá, prosperidade, desejos realizados, sete pulinhos mesmo que seja no chuveiro e enfim, que ano que vem seja ainda mais gostosinho que 2010.

When the night has come

Durante muito tempo fui do time 'anti-Yoko', por imaginar que ela teria separado uma das melhores bandas de todos os tempos: Beatles. Não é a primeira vez que ouço John Lennon, muito menos a primeira ves que ouço "God". Muita gente não entende a música, chama de anti-crista. Ignorância.  É um desabafo de John frente aos fãs revoltados, pela separação de beatles, eu inclusive, fiz parte desses fãs.


I don't believe in Beatles
I just believe in me
Yoko and me
And that's reality.
The dream is over,
What can I say?
The dream is over
Yesterday
I was the dreamweaver,
But now I'm reborn.
I was the walrus,
But now I'm John.
And so dear friends,
You just have to carry on
The dream is over.
"Eu não acredito em Beatles
Apenas acredito em mim
Yoko e eu
E essa é a realidade
O sonho acabou
O que posso dizer?
O sonho acabou
Ontem,
Eu era o tecedor de sonhos
Mas agora renasci.
Eu era a morsa,
Mas agora sou John.
Então queridos amigos,
Vocês precisam continuar
O sonho acabou."
 
Entendo o John. Finalmente sentiu novamente o amor tirado dele, do abandono de seu pai, da trágica morte de sua mãe, foi oferecido gentilmente por Yoko, e John aceitou. Finalmente John deixou de ser a morsa, simbolo de morte na cultura ocidental e virou John, se libertou de todos aqueles conceitos, todos aqueles rotulos. Pra quem não sabe, John fez a diferença como John. Libertou John Sinclair, provou a força do povo. Atrapalhou muito o presidente da época, Nixon, colocando flores dentro dos canos de metralhadoras. Abriu os olhos de um povo totalmente alienado, que vamos concordar: os americanos são patrioticos a ponto de se tornarem cegos. Mas John atrapalhou demais. Foi assassinado por um suposto fã. Acreditem no que quiserem, quem se torna fã de John pensa, não sai matando.

terça-feira, 21 de dezembro de 2010

Natura Ekos

Na imagem acima, uma foto participante do concurso de minha autoria.
Para celebrar o Ano Internacional da Biodiversidade, o portal Natura Ekos lança um concurso cultural. Os vencedores vão embarcar em uma incrível viagem rumo à Amazônia para conhecer os milenares castanhais da Reserva de Desenvolvimento Sustentável do Rio Iratapuru, no Amapá, onde poderão acompanhar, de perto, o minucioso trabalho da comunidade na coleta da castanha.
Essa experiência será fotografada e narrada pelos próprios viajantes, e publicada* em uma edição da revista National Geographic Brasil. Para concorrer ao prêmio, escolha um dos biomas brasileiros (Amazônia, Mata Atlântica, Cerrado, Caatinga, Pantanal, Pampa, Zonas Costeira ou Marinha) e conte, através de fotos ou artigos inéditos e de sua autoria, qual é a sua história pessoal em relação a este lugar. Tem alguma lembrança especial? Presenciou alguma transformação importante neste bioma? Que inspiração esta paisagem lhe traz?
Envie seus trabalhos até o dia 31 de dezembro e boa sorte!

* A publicação será realizada na edição de Julho de 2011 por meio de um informe publicitário.

Texto retirado do site: Natura Ekos - Para maiores informações, clique em "natura ekos"!

terça-feira, 14 de dezembro de 2010

Level Up

Os últimos dias tem sido corridos, então o 'momento bleach' durou um pouco mais do que eu esperava pessoal, desculpem-me por isso. Aconteceu uma série de coisas de novembro pra cá, e só não contei pois esperava uma confirmação, algo 'certo' para poder informá-los. Desde a fundação deste humilde blog venho contando a minha tragetória, óbvio que ninguém se importa e os intelectuais que costumam ler nosso blog não se interessam por esse 'diário', ou acham cafona, e é por isso que tenho evitado esse tipo de assunto. Tenho que agradecer essas criaturas um tanto quanto despresíveis, pois foi nessa paranóia que acabei desenvolvendo textos melhores para impressioná-los, assim como poesias, crônicas e inclusive livros de ficção que estão em progresso nesse exato momento. Descobri então uma criatividade até então esquecida, e após meses infelizes indo até santo andré estudar integral, derivada e afins com a esperança de quando começar as aulas laboratoriais as coisas melhorarem, decidi fazer algo que realmente me faz feliz, independente do mercado de trabalho ou do meu futuro salário, coisas que eu realmente levei em consideração na hora de escolher uma profissão. É com um imenso prazer e sensação de liberdade que vos digo: adeus Santo André. Foi bom enquanto durou, e do tempo que perdi lá, a melhor coisa que ganhei foram amigos. Estou saindo de uma federal com todos da família me olhando torto e pensando 'puts, que idiota'. Arranjei um emprego e pretendo com ele bancar meus estudos em jornalismo e fotografia. Com meu salário, irei cursar uma universidade de nível muito mais baixo que essa a qual estou deixando, pelo menos até as próximas provas no ano que vem. Mas aprendi com o tempo que o nome de uma universidade não é tão importante quanto a sua dedicação a ela. A verdade é que todos conhecem onde Einstein estudou por causa do próprio Einstein, ou conhecem somente ele, se é que vocês me entendem. Em suma é isso, parei de lutar contra a corrente. Sempre tive um dom natural para a escrita, não estou me gabando, preciso lapidar esse dom, obviamente, mas eu sempre fui muito melhor nisso do que nas outras coisas. Química era superação. Falhei, confesso. Mas não falhei com ninguém mais do que comigo mesma, com meus sentimentos reais à isso. Sempre guardarei um lugar especial no pensamento ao ano de 2010, que foi antes de tudo descobrimento. É hora de crescer, e hoje eu tenho maturidade suficiente pra mudar, e fazer o que for necessário, mesmo que isso custe um preço alto.
Não vou mentir, ainda me resta dúvidas sobre meu real talento, vocação e felicidade. Hoje estou aqui, amanhã...Deus sabe amanhã!
Meu autor predileto é Fernando Pessoa, sem dúvidas. Mas quem me conquistou primeiro, ao ponto de eu pensar: "sou eu em outra vida" é Mario de Sá-Carneiro, com seu poema "Dispersão", que é o resumo de tudo isso, da trilha que eu seguia até pouco tempo atrás. E por isso resolvi mudar, pra não sentir saudade de mim. Do que eu poderia ter sido se não fosse covarde.

à todos aqueles que me olharam torto, que tornaram a minha vida infeliz na universidade, que me disseram que eu estava cometendo uma loucura, que jornalismo, e principalmente fotografia não garantiam um futuro, e que eu falharia, e á aqueles pessimistas, odiadores de diários e pseudo-intelectuais: muito obrigada.

Aos outros, que quando eu pedi uma direção apontaram para dentro de mim mesma...muito obrigada de verdade.

Lucy, Roberto, Cris, e Carol, inspiração hoje e sempre.
Marcelo, obrigado por se preocupar.

Continuarei a contar minhas experiências, talvez um dia isso sirva de inspiração para algum perdido como eu. E aos que não gostam: vá ler Voltaire então. Mas é fato: Freud leria meu diário. Excelente ensaio sobre a psiqué humana (ok, forcei).

De qualquer forma: bom desabafar, finalmente assumir. Me sinto gay.


Beijos em arco-íris então ;D

Especialmente para o Marcelo, meu tubarão.