domingo, 29 de maio de 2011

Coisas que a navalha levou

Minha paixão não é amor
É como uma navalha seca afiada
Aperta e corta fundo as veias do coração
Dá um soco no queixo e sai de minha noca

Amanheço olhando os galhos la fora
Aqui dentro os cacos de vida solitaria
Nosso retrato estampando o chão
Lembranças podres de uma ilusão

No mundo os jornais vão falar de dor
Os criticos com suas paginas de horror
Os poestas com seus amores e alegrias
não digo que não sorria, seria hipocrisia.

A Navalha corta fundo.
Das coisas que ela pode cortar
É muito mais que um abraço e um beijo
Talvez um adeus e uma vontade de abraçar

sábado, 28 de maio de 2011

E depois dizem que alienigena não existe

Um dia apareceu um ser, muito estranho, muito provocador, ele gostava de jogar futebol, era teu hobbie no bairro pobre que vivia, ele foi crescendo e fazendo sucesso no clube de seu bairro, todos os amava, depois com seu estrondoso sucesso foi para outro clube, e emfim aquele que o levou as glorias de teu pais. Foi para o estrangeiro barbarizou, mas suas polemicas eram tão grandes pelo seu temperamento alterado e proprio de teu pais, que foi mandado a outro clube, o qual dessa vez não o levou a glorias apenas em teu pais, mas as glorias mundiais, foi o maior de uma epoca, e confirmou isso com teu pais varias vezes, decretando o estado de "um alienigena habita a terra".
Mas depois de alguns anos, passou a vir varios estranhos a habitar o mundo, mas outro alienigena? Sera uma invasão? Ou isso acontece de decada a decada? Ou estamos em 2012?
Pelo jeito sim, hoje mais um alienigena apareceu para fazer a alegria de todo mundo, e do mesmo lugar de onde o primeiro veio.

Falando de futebol, especificamente um jogador Messi, que tem jogado um futebol extraordinario, na epoca de Ronaldo no Barcelona ele recebeu o apelido de "Fenomeno", e surge uma questão como podemos apelidar o Messi hoje ?
Barcelona joga de um modo estraordinario desde os 16 anos de idade, apesar de suas lesoes e doença ter dificultado seu inicio de carreira, sabemos que todos os jogadores tem altos e baixos na carreira, até agora o Messi esta em alta no barcelona e esta em baixa na seleção, porem vejamos o elenco fantastico do barcelona e o modo que eles jogam.
Ultimamente tem o melhor futebol do mundo, afinal eu particularmente nunca vi um futebol mais fantastico e tão perfeito do que o do Barcelona atualmente, tendo assim os tres melhores jogadores do mundo na temporada passada e com justiça.
Olhando para a equipe da Argentina tem muitos jogadores de qualidade assim como outras seleções, e apesar de uma fraca apresentação do Messi em uma das mais grandes seleção mundial, ainda assim consegue ser o destaque da equipe, jogou bem na seleção argentina 2010 porem com uma armação tatica fraca apoiado por Diego Maradona, não conseguiu converter suas boas jogadas em gols, e cuja foi uma grande decepção para o futebol mundial, não tendo o brilhantismo do melhor jogador do mundo na atualidade.
Messi sem duvida foi o melhor jogador do ano passado, o melhor deste ano, conquistando titulos em tão pouco tempo e se manter o futebol apresentado nas outras competições que estão para vir será com toda certeza lembrado por inumera decadas como um dos melhores jogadores de todos os tempos, afinal cada um teve seu periodo e Messi contruiu o dele ultimamente.

quarta-feira, 25 de maio de 2011

Fotos

Algumas poses sao pra sempre
Ainda mais quando estão presas em um pedaço de papel
Iluminado e colorido
Em fotos que nem foram tiradas por mim
Nem pelo meu amor.
Apenas esquecidos
Eram poses que nao se podem esquecer
Pelo menos eu nao posso esquecer
Sinto por ele, que esqueceu
Não só a pose
Mas a que estava formando a pose

A pose foi esquecida
Num pedaço de papel iluminado e colorido
Sob o banco de uma praça tambem iluminada e colorida
E teus ventos as levaram ao chão
Pisoteada por gotas finas da garoa de São Paulo.

Bilhete

Sinto falta de seus bilhetes
sob um papel gasto e amarelado
marcado por uma caneta falha
e dos textos sordidos
difundidos em bons versos de saudades
das cores pretas da tinta falha da caneta estourada.
Sinto falta de guarda-los
junto dos outros bilhetes na gaveta da penteadeira
sinto falta de amassa-lo
e ouvir um barulho de criança
faz-me lembrar dos bombons que deixava junto com o bilhete
Lembrar uma arte de ser entristecer.

Pensei que bilhetes nao eram mais escritos
como sempre foram
não vejo mais os versos
nem um ar de poeta
nem mesmo um bombom junto dele
mas a verdade é que não há mais quem escreva
Os versos secaram
Os poetas acabaram
E os bombons eu comi todos.

Cicatrizando sentimentos

Ando penteando sentimentos. Cicatrizando as protuberâncias aberta entre o decorrer de todo esse tempo, algumas aindavirão mas faz parte é uma anatomia da vida, são cavidades obcenas, reetrâncias de sempre que ainda me atormentam. Tenho receio de pensar, sinto em voltar para magoas antigas, tenho medo de retornar a encontrar aquela cerração densa pronta para ocultar o precipicio a frente, e essa neblina esta sempre lá, cegando-me e não interessa a estrada que eu caminhe, elas estão la, e ainda mais longa. Tentei pentear cada fio de sentimentos, confesso, talvez tentando enfrenta-los de frente e deleta-lo ou deixar arquivados nas pastas mais antigas, afinal não posso dar um Ctrl -Z, não posso voltar a refazer toda as tolices e deveras todas as imundices que fiz e que agora estão acumuladas tentando sair, pulsando como musculos, pois bem, é disso que sou feito de meros musculos pulsantes, que desdobram-se de lado para outros querendo sair de minha pele, doendo, caimbras. Estou indo com calma, nada mais que a calma para acalmar, sim, pois, enquanto tudo se resolver assim tudo bem...Depois são outros assuntos, sobre isto acho que ainda demora, sei lá!

terça-feira, 24 de maio de 2011

R$ 17,50

Tenho algumas escolhas a fazer, comprar comida para os meus filhos,  pagar por uma mulher na esquina ou pegar o trem e ir embora para onde ninguem me ache. São decisoes dificeis, queria abandonar e ir embora, mas o que me aparece ao inves da exatidão, da incerteza, ou da compaixão para aqueles que carrega na costa é nada mais que nada. Eles viveriam bem sem mim, se viverão até agora, alguns ou menos anos não faz diferença, alias de quantas mulheres preciso para sobreviver? A escolha é fatal, escolher entre fazer bem a outros, a si mesmo ou resolver todos de uma maneira simples; indo embora.
Desencadeamento, é o que preciso no decorrer da nova musica que quero tocar nesta meia vida, seguir as partituras de uma vida desapegada, seguir a partitura e descobrir qual é a musica, os generos são diferentes, o estilo é diferente, a emoção é diferente, vivo ao som de um jazz, fundo, com uma bateria irritante, e um baixo rasgado, poderia viver uma latina, feliz, cheio de ginga, cheio de paixão, muito caliente, poderia viver no extase, poderia viver no blues ou talvez até mesmo cair no rock and roll e seguir meu caminho desenfreado,mas não, a incerteza e a exatidão, aquilo que me encadeia, ainda supera meu desejo, coloca acima  o meu instinto animal, pronto para sair, trabalhar e levar comida as crias. Pronto para achar uma mulher e fazer mais filhos para continuar a trabalhar para sustenta-las, não importa que seja o problema de todos, mas o meu sim, é mais grave, corro atras da liberdade e ela corre de mim, corro atras dos sonhos e eles correm de mim, não corro atras de compromisso, mas eles correm para mim, ja tentei correr para eles para eles correm de mim, mas é isso, compromissos, e a decisão esta no meu bolso, 17,50 no pão e leite, na mulher ou na estação de trem? Falta alguns minutos.

segunda-feira, 23 de maio de 2011

Extra!

Psicose na primeira página do Google, quando pesquisado "Elidio Sanna". Coincidência? Milagre? Elidio nem é famoso? Tudo isso? Ok, mas estamos lá! HAHAHA

Beijo no figado, só vim contar vantagem!

sábado, 21 de maio de 2011

Capitulo 3: Alô

anteriores: Capitulo 1
Capitulo 2



Exatos vinte anos haviam se passado desde que os olhos verdes de Lucy encontraram pela primeira vez com os castanhos de Ed. Correspondiam-se há meia década, uma façanha devido à vida desregrada de ambos. O encontro só aconteceu cinco anos após longas cartas e telefonemas a beira da estrada. Singularmente almas opostas. Não concordavam com nada, exceto com o que concordavam. Ela foi a primeira a se opor a suas idéias malucas e irrealistas, e ele, adorou. Passaram duas semanas conversando, e aquela amizade que ninguém entendia, tornou-se algo mais. Infelizmente ou não, Ed teve que voltar para a sua cidade do outro lado do país, e foi em uma das cartas que trocavam que Lucy soube do seu casamento. Foi ai então que não mais se falaram. As coisas mudaram. Talvez Ed não durasse tempo suficiente para falar novamente com ela. Foi quando surgiu a idéia de ligar para aquele antigo número que jamais esquecera. Com os dedos trêmulos esperando o pior, Ed discou sem pressa o número que jamais saiu da sua cabeça. Uma voz jovem atendeu, era ela.
O tom de Lucy mudou quando ouviu aquela voz rouca que a fizera sofrer outrora. Um alô surdo saiu de sua garganta, sem acreditar no que estava ouvindo; Era a voz de Ed, com certeza era a voz de Ed.

Amanha

Como trabalhei esse dia! Acendi um cigarro, vi a fumaça prateada subir até desaparecer, juntando-se as nuvens. Tomei uma cerveja num bar, sentei. Fui ficando longe, deixando os problemas para tras, me deslocando do sobrecarrego e do mal, desprendendo de todo o cansaço, bagunça, confusão. Mas logo voltei, paguei a conta e num onibus fui chacoalhando até em casa, ainda comprei umas latinhas e um pãozinho com ovo para a noite, sempre ...pensando no outro dia.

quinta-feira, 19 de maio de 2011

Um lugar do caralho - Júpiter maça

Eu preciso encontrar
Um lugar legal pra mim
Dançar e me escabelar
Tem que ter um som legal
Tem que ter gente legal
E ter cerveja barata

Um lugar onde as pessoas
Sejam mesmo afudê
Um lugar onde as pessoas
Sejam loucas e super chapadas
Um lugar do caralho

Sozinho pelas ruas de São Paulo
Eu quero achar alguém pra mim
Um alguém tipo assim
Que goste de beber e falar
LSD queira tomar
E curta Syd Barrett e os Beatles


Mas essa é minha versão.

Ouça: Júpiter Maça

terça-feira, 17 de maio de 2011

Sem melancolia -

Uma pagina da web, apesar de tudo, apesar de não ser mais banal ter um blog hoje em dia, é um meio de interlocução, da animo escrever sobre gostos e texts diversos. Dá ânimo, é feliz saber que falo para Amelia, Ricardo, Angela, Diana, Aninha, Patricia, Janis, Carlos e outros que me vistaram, lerão, e não comentaram ha. Ah e pra Yasmim e Oto, claro, que agora tambem é mais um blogueiro no mundo. Compartilhar é diferente ainda mais quando não se ha nada para ser compartilhado, apenas algumas palavras um tanto futeis, sem querer ofender a Jeniffer rsrs companheira de blog desde do colegial (que não faz muito tempo assim hahah, pois).
Dias. Dias dos pais, das maes, da irmã, do irmão e derivados. Ainda prefiro surpreender e ser surpreendida em qualquer dia do ano, um telefone, um abraços, uma palavra...alias confraternizar é diario. Ainda acredito na espontaneidade, na capacidade de criar mecanismos, negar leis, e ser sempre diferente em relacionamentos de quaisquer ordens. Isso independente de criar expectativas nos outros. As pessoas esperam algo que não faz parte de nos, mecanicamente não combina consigo. Ou seja, por uma imagem, pelas seu envolvimento com algo, pelo desempenho de ser o que é, interessante é que para compartilhar não pode desapontar nunca, torna as expectativas frustradas.
Ser linear agrada e quando não se é vem decepção, que de respostas a perguntas inevitaveis, pelo menos que não esteja de acordo com o que uma pessoa é verdadeiramente e não por uma imagem que passa -  felizmente gente não é assim, não é isso. Daqui, onde cuspo palavras e rumino ideias, ainda assim prefiro fazer surpresa. Estranhamento, sorrisos, alegrias, uma verdade, um argumento falso, um horror, uma ideia, um argumento...
Não ha dias, nem palavras especificas, se tornam coisas superficiais, calma não estou nsunuando nada, todo dia é dia.Todo dia ha algo para compartilhar, escrever e ler.

Pisos, gramados e bolinhas

Esqueçam os gramados e procurem tijolos. Nada de futebol, o Tenis é um esporte sensacional - É jogado com duplas tambem - Mas se joga sozinho. Com isso voce sente tudo o que uma equipe de 11 jogadores sentem, voce se apavora sozinho, voce perde sozinho, voce pensa sozinho, voce ri sozinho, voce vence sozinho. Preparo fisico e inteligencia é uma categoria grande - Sua mentalidade precisa estar treinada e agir rapidamente, voce precisa mais de um bom cerebro e um bom grau de calculismo do que um corpo inteiro (Sim precisa). Por isso a tv em um leve movimento ao controle remoto para a Espanha, Nadal, em terras de campeoes mundiais, sempre é, um cerebro sozinho, e por graças a ESPN estava pegando.
No saibro, um pouco de Nadal e Federer, nervosos, vence novatos, inclusive um tal de Belucci considerado um novo Guga (ha sei)
Pois bem, nos brasileiros precisamos de um Nadal e Federer para ganhar, ja os madrilenhos não precisam, muito menos de um Ronaldo, tirando Xavi, Iniesta, (Messi, não, não, é catalão), é um pouco de papo de Suiços, sim voces necessitam de um Nadal, sim, tambem, no futebol.

O Canal senado serve para;

Pois bem, eu não sou tratada na boêmia.
Não sei porque a nossa midia se preocupa com a liberdade da China, ou melhor, liberdade de informações da China.
Como dizia Bezerra da Silva "Malandro é malandro e mané é mané" Diferenças a parte, os tribunais são para legislar, professores para lecionar, burocratas para burocratizar, juizes para julgar. E para sobrecarregar. Para invadir a privacidade de uma esfera, tratando todo mundo como se fossemos um povo sem vergonha, embora não generalizando, incapazes não!
Dai falam de liberdade. Dai o que dizer da censura judicial que vem dando lucro ultimamente, apesar de as vezes ser tentada inutilmente. Biografias, por exemplo, uma mentirinha lá, um conto da carocha ali, desde que fique de acordo e do gosto do biografado. Noticias desde que a opinião dos leitores não achem ruim, ou quando os acusados (ministros e ...) não estejam envolvidos a menos que seja algum bom para a comunidade, e claro desde que os juizes não discorde delas: Liberdade na censura! O Estado de S. Paulo, me diga, noticiar investigações de corrupção de medicos. Pois bem e quanto aos noticiarios politicos? Em plena modernidade, ou não sabem a diferença de uma propaganda e noticiario, ou acham que nos não sabemos. Tai uma coisa para ser investigada e cair nas graças de um pedaço de pagina de jornal, sem censura.
Pois bem, uma resolução no Tribunal Superior Eleitoral, sobre propagandas eleitorais pela internet, de acordo com o texto atual: A propaganda eleitoral será permitida na página do candidato. Ja podem esquecer sobre youtube, videolog, twitter e afins, ah tá facebook, orkut, negativo, banners em portais informativos, e-mail marketing, blogs, links patrocinados em sites de busca.
Será que é só eu que enxergo isso, ou só eu que recebo anuncios politicos politizando minha caixa de e-mail.
Pode ter certeza de uma coisa, quando eu escrevo num blog, eu escrevo que eu quero, agora e eles, não podem escrever a propaganda futeis dele em uma pagina da web, o que acontece comigo se eu escrever sobre codigos secretos de alguma organização criminosa nesse blog, perigoso a parte, escandalo a parte, privacidade a parte, é uma pagina da web de minha autoria.
Resumindo e voltando no assunto anterior.
Ambas as midias, eletronicas e digitais são publicas. Portanto se algum de voces quizerem me mandar um e-mail de algum politico, voce pode, mesmo que eu não queira e mesmo que sua consciencia saiba que é indecente e desrespeitosa e uma forma corrupta de divulgar a boa imagem do candidato enviando e-mail. Portais determinados como um blog são, de fato, uma area jornalistica, literaria e divulgada para todos os publicos. Uma extensão. Tirando alguns fatos, que regras que servem para jornalistas, de alguma forma, não serve para blogueiros em geral.
No entanto, você, eu ou qualquer um de nós, pessoas físicas, indivíduos, e não jornalistas de determinada revista e jornal, enviarmos mensagens pela Internet, através de e-mails, ou divulgarmos através de nossos blogs ou páginas pessoais, essas regras não teria importancia judicial para nos, a menos que nos procurassem e nos processassem pela forma culta ou defamatoria, inteligente ou tola que escrevemos.
Um e-mail, é um meio digital de conversarmos com alguem, ou uma alternativa em falar pelo telefone ou de enviar cartas pelo correio e não de regras, leis e empreendimentos jornalisticos - Passa a haver direitos de expressão e comunicação individual e privada e não de comportamento de empresas de telemarketings. Logico uma campanha politica atravez das mensagens, de e-mail ou sites de relacionamento, corresponde, ao mais baixo nivel para eleger. É um meio por onde proliferam mais intrigas, mentiras e difamações absurdas a respeito de outros assuntos. Que cada um saiba conter-se a um bom nivel de anuncios e que cada um resolva o que deseja receber em seus devidos provedores de e-mail e que use a vontade o lixo eletronico e exlcuir. Que cada um seja individualista e saiba manter seu padrão de decencia e não necessite a tais atos incapacitados de regulamentos tutelado pelas autoridades. Regulamento de internet, alem de ser futil, pertence ao mesmo regulamento aprovado pelo senado de previo cadastramento para impedir e-mail maliciosos. O senado deve saber que internet é mundial, naõ existe só no Brasil, se eu naõ posso enviar meus e-mail maliciosos aqui, ok, vou no Japão e envio de lá para o e-mail que eu quiser. Até quando vão achar que o Brasil é uma potencia mundial separada do restante da terra. A SEGURANÇA no meio digital, não é fazer pré-cadastramento para previnir mensagens maliciosas e para prevenir uma pessoa de receber informações sobre determinada coisa, afinal cada um sabe que os virus rolam solto e sabe os e-mail indecentes que não deve abrir, pelo menos essa capacidade de discernimento acredito eu que muitos sabem, nem é por discernir e sim ser zeloso. Mas segurança digital deveria ser uma boa para o senado querer tutelar.
Ganhamos liberdade de expressão, banindo a censura e privacidade porque alguns conseguiram vencer a guerra, foi uma conquista de uma sociedade cansada durante o regime militar (inclusive antes). Mas não termino nos tempos da carocha, ainda continua, a menos que perseverem nas soluções de ajudar os internautas de maneiras inuteis e procurando cala-los de expressar-se.
A moda atual é fazer as propagandas do senado, ser como uma exposição de artes visuais, voce enxerga do modo que quer, voce interpreta do modo que vê e faz tudo na vida pessoal e privada de um induviduo ser como um quadro abstrato onde os juizes, professores, mestres e todos façam voce ser manipulado e não formar uma opinião propria, eles apenas decretam.
Garantir segurança publica na internet ao preço de direitos privados e individuais; apenas mostra que uma guerra travada nos tempos das bolas azuis não acabou. Os musicos e escritores sofrem com certos tipos de regulamentos inuteis. Tudo é censurado e depois somos incapazes!

segunda-feira, 16 de maio de 2011

Thor



Não é nada fácil escrever sobre a mitologia nórdica. Até porque, o pouco que conheço é devido AOM, e Ragnarok. Assíduas pesquisas de tutoriais me levaram a conhecer e a compreender um pouco do místico presente em uma das mitologias que mais me agrada. Recentemente foi lançado o filme “Thor”, que remete antes de tudo, o herói em quadrinho da Marvel, inspirado no deus-trovão filho de Odin (o pai de todos – como chamado no filme) Thor, que luta com a equipe “Os Vingadores” (páreo ao “Os Justiceiros”, da DC Comics). Representado no telão por Chris Hemsworth, e Odin por Anthony Hopkins, o filme nos leva à Asgard, o lar dos deuses. Thor, influenciado pelo Deus da trapaça – conhecido também como seu irmão, Loki( Tom Hiddleston) - desobedece às ordens diretas de seu pai, Deus dos deuses, quebrando um acordo de paz estabelecido com os gigantes de gelo há muitos anos, sendo então punido com o banimento à Midgard além de perder os seus poderes. Preso no mundo dos mortais, Thor conta com a ajuda de Jane Foster (Natalie Portman – sim, ela está em todo lugar), para recuperar o seu Martelo, símbolo de sua força. Mas antes de recuperar seus poderes, Thor precisa aprender ser menos arrogante, egoísta, e ser digno de seu martelo; E aprende muito bem, com pobres mortais como nós. O filme em geral não tem muita ação, devido principalmente a essa busca pelo altruísmo. Mas você sai do cinema com uma sensação de que seu dinheiro foi bem gasto. Um sorriso meia-lua fica presente em todo momento. A luta entre os irmãos poderia ter sido melhor, mas, o pouco de ação, fez valer. Recomendo para todas as idades. Mas é claro, que vá de cabeça aberta.

domingo, 15 de maio de 2011

Poema de Mario Benedetti


AMOR DE TARDE
(Mario Benedetti)

É uma pena você não estar comigo
quando olho o relógio e já são quatro
e termino a planilha e penso dez minutos
e estico as pernas como todas as tardes
e faço assim com os ombros para relaxar as costas
e estalo os dedos e arranco mentiras.

É uma pena você não estar comigo
quando olho o relógio e já são cinco
e eu sou uma manivela que calcula juros
ou duas mãos que pulam sobre quarenta teclas
ou um ouvido que escuta como ladra o telefone
ou um tipo que faz números e lhes arranca verdades.

É uma pena você não estar comigo
quando olho o relógio e já são seis.
Você podia chegar de repente
e dizer "e aí?" e ficaríamos
eu com a mancha vermelha dos seus lábios
você com o risco azul do meu carbono.


No livro Antologia Poética, editado no Brasil pela Record em 1988, traduzido por Julio Luís Gehlen. Poemas de la oficina, de Benedetti. Meses lendo livros sobre esse mestre uruguaio cada vez mais me identifico com a escrita portenha. Comprei o livro em Buenos Aires na minha breve passagem por la. Falando em literatura latina, nunca pensei que ler livros argentinos e uruguaios fossem um tanto diferentes, muitos dizem que os argentinos tem uma escrita mais amorosa e dramatica do que os uruguaios, mas realmente ha aspectos diferentes. Não é como ler livros de escritores brasileiros, muito menos tentar comparar a mestria dos latinos. E agora eu posso dizer que realmente em outros ares existe uma literatura diferente e infinita como ja dizia Machado.

O uruguaio Mario Benedetti

Nasceu em 14 de setembro de 1920 em Tacuarembó, Uruguai. Em 1945 integrou a redação do semanário Marcha e, em 1949, publicou seu primeiro livro de contos Esta Manãna. Um ano mais tarde aparecem os poemas Sólo Mientras Tanto.
É em 1960, com a publicação de La tregua, que alcança transcendência internacional, com mais de uma centena de edições traduzidas em 19 idiomas e levada ao cinema, ao teatro, ao rádio e à televisão.
Em 1973 teve que abandonar seu país por razões políticas; viveu na Argentina, Cuba, Peru e Espanha. Sua vasta produção literária abrange todos os gêneros, incluindo famosas letras de canções.
Muitos poemas de Mario Benedetti estão na boca das pessoas, que os recordam de memória, os repetem ao ouvido da pessoa amada, os citam em suas declarações românticas ou os têm em mente na hora de rascunhar um verso; outros se converteram em canções e formam parte das frases cotidianas de quem tem transitado por seus versos.
Poucos poetas hão logrado estabelecer semelhante laço com o público. A poesia de Benedetti renova a linguagem dos sentimentos, diz com uma voz original aquilo que é patrimônio de todos.
Com a saúde debilitada e após várias internações, faleceu em 17 de maio de 2009, aos 88 anos, em sua casa, em Montevidéu.

sábado, 14 de maio de 2011

Dia?

Brasil - Argentina - Mário de Andrade

Seguem alguns trechos da crônica do escritor paulista, publicada no Estado, em 22/01/39.
E foi nessa atmosfera de vitória que principiou o famoso jogo Brasil-Argentina, de que certamente não tiraremos nenhuma moral. Os nacionais escolheram o lado pior do campo, com uma ventania dos diabos contra, varrendo tudo, calor, bola e argentinos contra o nosso gol. Principiou o jogo. Os argentinos pegaram com os pés na bola e... Mas positivamente não estou aqui pra descrever jogo de futebol. Só quero é comentar.
Ora, o que se via desde aquele início? O que se viu, se me permitirem a imagem, foi assim como uma raspadeira mecânica, perfeitamente azeitada, avançando para o lado de onze beijaflores. Fiquei horrorizado. Procurei disfarçar, vendo se me lembrava a que família da História Natural pertencem os beijaflores, não consegui! Nem sequer conseguia me lembrar de alguma citação latina que me consolasse filosoficamente! Enquanto isso, a a raspadeira elétrica ia assustando quanto beijaflor topava no caminho e juque! fazia mais um gol. Era doloroso, rapazes.
Mas era também admirável. Quem já terá visto uma força surda, feia mas provinda duma vontade organizada, que não hesita mais, e diante de um trabalho começado não há transtorno político, financeiro, o diabo! que faça parar!... Eram assim os argentinos, naquela tarde filosófica. Não que eles se alardeassem professores de ordem, de energia ou de coisíssima nenhuma.
Quem quiser me compreender compreenda, mas no fim do quarto gol eu tinha me naturalizado argentino, e estava francamente torcendo para que... nós fizéssemos pelo menos uns trinta gols. Mas logo bem brasileiramente desanimei, lembrando que seria inútil uma lavada exemplar. Não serviria de exemplo nem de lição a ninguém. Ao menos, meu amigo uruguaio foi generoso comigo, não teve o menor gesto de piedade. Comentava navalhantemente:
- Era natural que vocês perdessem... Os brasileiros "almejaram" vencer, mas os argentinos "quiseram" vencer, e uma coisa é almejar, outra é querer. Vocês... é um eterno iludir-se sem fazer o menor gesto para ao menos se aproximar da ilusão. Sim, os argentinos escalarram o quadro e este se preparou para o jogo; mas o que a gente percebe é que, na verdade, há trinta anos que os argentinos vêm se preparando para o jogo de hoje. A força verdadeira de um povo é converter cada uma das suas iniciativas ou tendências em norma quotidiana de viver. Vocês?... nem isso... Os argentinos, desculpe lhe dizer com franqueza, mas os argentinos são tradicionais.

quinta-feira, 12 de maio de 2011

"Maria Baiana" - Conto

Por Priscila

 A voz saia ligeiramente baixa, saias longa bordô avermelhado, sueter branco, pertencia a uma moça morena, de longos e encaracolados cabelos negros, aquela que abriu a porta quando eu cheguei. Seus olhos castanhos claros, naquela hora constrangidos de ver tais estranhos na porta logo se abaixaram e nos olharam dos pés a mente ligeiramente e correu subitamente.
De um vento, surgiu uma voz, como a voz daqueles lá de bahia, aproximou-se com um pano de prato nas mãos enxugando-as e pondo-o nos ombros.

"Chegue Maria, são os senhores das terras de Sao Paulo que veio ficar aqui- Disse ela. - Comprimenta o homem Maria.
De beleza tão acanhada que apenas com simples gestos, balançou com a cabeça.
"Oi! - Poucas palavras, mas já podia compreender sua fala, diferentemente de sua tia era um tom mais vagaroso e arretado como diz sua tia.
Ao responder voltou saltitante para dentro novamente.
"Entre, entre! Não repara não, mas minha casa é assim mesmo. Maria larga dos cantos e venha cá fazer companhia aos senhores enquanto vou fazer café.
Maria apenas aproximou-se no pequeno sofá velho, apoiou-se e nos olhou logo abaixou a cabeça.
Aparentemente era timida, pelo menos aos meus olhos, seu olhar embora sinico, tinha olhos grandes e quando mirava com seus castanhos  orbes a alguem era uma sensação sensual, mesmo fugindo de seu estado ao apresentar-se.
"Olha o cafézinho" - vinha a tia, falando daquele jeito tipico, que nos paulistas chamamos de voz de baianos. Engraçado apesar da idade ja madura, era bonita como a sobrinha, tinha cabelos longos da cor do céu ao escurecer, o rosto aparentemente sempre cansado talvez pela trabalho ou pelos traços da vida, mas ainda sim com traços delicados e bonitos, personalidade forte, ao contrario da sobrinha.

"Quantos anos tem, senhorita?" - Perguntei mesmo sabendo que ela poderia não responder ao contraio de mim, meu amigo ao meu lado no sofá, encarou-a de modo obceno, de certo para meu olhar pois ela ao menos se constrageu, "Mas timida, acanhada?"

"Vinte" - Agora pude notar melhor teu tom de voz, baixo, dissimulado, baiano.
"Tão bela es para minimos vinte anos" - Ela nada respondeu ao meu comentario tolo.
Ela não pode conter-se e fez uma pergunta.
"Verdade que voces são da cidade grande" - Falo intusiasmada, infantil.
" Sou de São paulo e meu amigo aqui é carioca do Rio de Janeiro" Respondi. "Ja ouviu falar"
"Ouvi dizer que é muito bonita, mas é longe de mais.
"É de tamanha grandeza, mas não tão longe assim"
"Tia não deixa eu ir para lá" - Inclinou-se falando baixo.
"Venha conosco" - Falou imprudentemente Jonathan meu amigo.
"Ela não pode, veja"
"Eu vou"
"como?" - perguntei assustado.
"Mainha disse que não quer desgrudar os olhos de mim, mas um dia vou ir"
"Talvez um dia voce vá" - Respondi
"Talvez pode ir bem mais cedo do que imagina" - Mais uma vez Jonatham e seu comentarios nada inocentes.
"Rapazes quando voltaram para cidade grande, não estão demorando demais não?" - Disse Josefá
"Partiremos semana que vem" - Respondi a senhora a frente.
"Voce é comprometida jovem?" - Perguntou jonathan
"Não" - Disse timidamente.
"Serio. Quantos não deve ficar pasmos de te olhar" - Comentou

Em um momento pensei que ela fosse intimidar-se, pois até eu senti vergonha com um comentario tão ingrato e insolente, e ainda mais desrespeitoso com uma jovem.

"Que isso, senhor! Não são tantos assim" - Aparentemente, encarava-o como se seus olhos vissem pelo interior. Olhos de poder, paixão, luxuria, engraçado! Timida, acanhada?

E não bastou um ingrato comentario para submeter-se a tanto
E muito mais alem.

"Como tantos conseguem caminhar em paz nessa cidade, tendo uma deusa andando pelas estradas?" - Teus olhos nada inocentes.
"E quanto a ti, é casado" - falou abertamente para minha surpresa.
"Não, mas quem sabe, muito em breve."

Ciumes não bastava, fique irritado demais para continuar a presenciar essa sem vergonhice e logo me intrometi.

"Maria, pode me servir um pouco mais de acuçar.
Enquanto pegava a chicara e caminhava até a cozinha, nao hesitei em falar.
"O que pensas que esta fazendo?" Esta louco?" "não ve que não é o que pensa, tem respeito e familia e não uma protistutazinha de esquina a qual entra em qualquer conversa"
"Não parece"
"O que?"
"Não parece, a unica diferente entre as duas é que uma protistutazinha é bem mais facil" - Comentario infeliz deste ser.
"Pare com essa palhaçada, tenha respeito pela senhora Josefá!"
"O que pensas que vou fazer? Estou apenas conversando"
"Com comentarios estupidos como estes?"
"Acho que voce esta bem adiantado em questao dessa garota, esta com ciumes?" - Não tive respostas.
"Aqui esta senhor! - Disse ela caminhando com a xicara novamente.
" Obrigado Maria" - respondi e logo tratei de cessar com essa conversa.
"Senhorita, ao passar deparei-me com um bonito jardim em seu territorio, posso vê-lo?
"Pode sim"
"Pode me acompanhar, não quero perabular pela casa de alguem assim"
"Mainha! Vou mostrar o jardim para o rapaz" - gritou para sua tia que estava na cozinha.
"Vá que o bolo ja esta saindo!"
"Dei-me licença. - Falei.
"Isso é um pretexto para contigo falar" - Tentando disfarçar a timidez e vergonha que sentia ao falar uma frase tão inocente.
"O que quer falar" - Indagou ela, com teu semblante simples e alegre.
"Vou te contar o que se passa, não consigo parar de olhar-te, nao nego que não me encanto com tua beleza Maria, não me leve a mal, desculpe-me pelo minha indecencia, mas não aguento mais, ainda mais não aguentava ouvir tantas palavras de jonatham elogiando-te."
"Voce gostou de mim tão rapidamente assim" -
Comentou ela andando até mais perto, com teu olhar sinico, sem vergonha.
"Jamais quero trata-la como mulheres de baixa altura como algumas são, jamais, mas o que quero dizer é que tu Maria, me encata desde quando me atendeu na tua porta"
"Tambem vou contar que te achei muito atraente quando te olhei, nunca vi ninguem como senhor, tão elegante e bonito"
Respondeu com a certeza que eu queria falar-te, sem a vergonha que demostrei, sem inocencia, ou timidez ou acanhamento.
Ela apenas se movia mais perto e mais perto e eu tentava me afastar mesmo sem querer, olhava para a janela da casa com medo de dona Josefá, mas ela continuava se movendo até mim, querendo que eu a beija-se e não hesitei, foi rapido, ela se afastou.
"É a gente entrar mainha ja deve estar nos pricurando procura" -

Meio encabulada, entrou e logo em seguida tive que entrar apesar da imensa vergonha e sacanagem de minha parte.

Maria era mais atraente que as mulheres que tinha visto, não sei se era fentiço ou amor, ou paixão, ou sabe-se lá o que for, mas minha atenção era somente para ela. Não era adornada por joias ou roupas de luxo, ou de tamanha elegância, mas mesmo com modestia olhava como magnifica.

"Gostou do bolo, rapazes? Não fiz mais porque meus ingredientes acabaram, mas pela noitinha vou fazer um melhor ainda, voces vão ver.
"Não preocupe-se com nada, minha senhora" - Respondeu Jonathan

A noite sobe aos arredores de Bahia, mas tudo era bem iluminado com as festanças que se formavam na região, bem movimentada e muito quente.

" Olá Maria!" - Não hesite e voltei a entrete-la em um assunto.
"Oi Pedro" Onde vai estas horas homem! ´Já é tarde da noite, vai ver as festas?"
"Eu é que digo, o que fazes esta horas caminhando pela rua?"
"Perguntei primeiro" - Respondeu ela, brincando.
"Não nego que estou sem sono e escutando todo esse som é impossivel dormir" - respondi abrindo o portão da casa.
"Eu tambem estou sem sono, gosto de andar de noite com todo esse calor bom"
"Calor bom, esta me matando! " - Indaguei.
"Já que esta aqui, quero desculpar-me de que disse e que fiz ontem." - Apesar de conversar com ela normalmente, ainda sim sentiu meio acanhado pelo drama que passei ao longo do dia anterior.
"Desculpar pelo o que?
"Como pelo o que? Por ontem!" - respondi.
"Por ter me beijado?"
" O que achas que seria? Estou até encabulado com essa situação."
"Porque não gostou?"
"Como não gostaria, Maria! ...Mas me diga, onde estão as festas? Vim para Bahia para poder conhecer a cultura, as danças tipicas, mamãe falava sobre suas viagens para cá, dizia barbaridades de alegria." - Começei a mudar de assunto, pois ja nao conseguia mais olha-la.
"Amanha talvez, vou dançar em uma festa aqui na rua, quero que venha me ver dançar!"
"Voce dança como as baianas? É isso baiana?"
"É, alguns acham que é, olhe como é a dança, não é como a de voces da cidade grande."

Ela dançou!
Mas que diacho de dança era aquela, nunca avistei tanta formosura, tanta beleza, não sei como pode, mas o som alto que vinha de fora a contagiava, mesmo ao conversar não parava de moxer-se, talvez eu ali louco para abraça-la e toma-la em meus braços. Sensualismo, Desejo era o que vinha a minha mente, aos meus olhos.

"Voce fica ainda mais bela dançando! Que minha mente nunca apague o que vejo.
Parou, prendeu os cabelos encaracolados e soltos esvoaçantes, sentou-se ao meu lado.
"Estoi tonta de tanto dançar!"
" E eu tonto de te ver" - Comentei
"Mas voce nao sabe dançar, mostre como se dança na sua cidade?"
"Não sei dançar e para ser sincero não gosto"
"Pare com essa vergonha, oche, levante!" - Dizia ela levantando-se, tentando me puxar.

Ela então o puxou com força, desajeitado cai, minha exaustão era tanta, que mal consiguia manter-me em pé. Sorria, sorria, pelo meu cair, baixo mais o bastante para me constranger.

Sempre a olhei de modo como se mostrava, timida, acanhada? Eis mais uma das questões. Mas ainda sim fui até o alem.
Seus olhos esverdeados estavam mais pertos dos meus, ela agaixou e subitamente jogou-se em mim, beijando-me, abraçando-me, e ainda sim acho que era sonho.

Por fim, mas uma vez passou. Ela levantou-se.

"É bom voce ir deitar, amanha terá que levantar cedo, não é?
"Antes de ir Maria, eu quero dizer que eu passo falar com tua tia pelo relacionamento que estamos tendo?"
"Não, não! É bom esperarmos um pouco."
"Tudo bem"
"Vamos ficar em segredo por enquanto. Dai podemos levar nosso relacionamento mais longe...Entao vá se deitar, pois eu ja estou cansada. - Assim seguiu para teu quarto.

O dia amanhece.
Lá fora ouvia-se os cantos dos passaros e os cacarejos dos galos

"Marta, Marta" - Exclamava a tia.
"O que aconteceu? Fica gritando! - Respondeu a visinha ao lado.
"Maria esta na ai? Sumiu, não diz onde vai"
"Nao esta não"
"Não sei porque some assim, desde quando Antonio morreu ela anda assim."
"Bom dia! Dona Josefá! O que preocura.
"Maria que sumiu!
"Maria? Mas ontem estava aqui?"
"Deve ter ido buscar pão. Ja tomou café, senhor Pedro?"
"Não se preocupe com isso, vou indo, apenas to procurando Jonathan que tambem sumiu e não o vejo ja desde ontem de noite. Por que diabos ele esta desaparecendo assim!"
"Olha Maria ali! Maria onde voce foi mulher?"
"Estava na praça um pouco tia, me deixa em paz!" - Respondeu ela.
"Pelo visto, Jonathan tambem estava na praça, olhe ele vindo! Jonathan da proxima, ve se avisa, pois os jornalistas estão nos esperando faz é tempo.
"Nem dormi por aqui hoje se quer saber, e voce fica ai babando para essa guria, não ve que esta perdendo o que tem de bom nessa cidade."
"Se não tem nada para fazer de melhor no resta da vida, paciencia.
"E como diz teu falecido pai, és tolo por falta de uma boa aguda burrice. - Disse, jogando tua real chacota.
"Para que iria se ainda vejo boas pessoas por aqui."
"Quem Maria? - Sorria ironico. " Como é burro, não ve que nao es santa nenhuma."
"Voce a conhece bem para falar isso?"
"É ver e perceber, se nao percebe é porque não qué! Santa, santa!Maria santa? só se for mãe de Jesus
" Porque essa afirmação, sabe de algo que não sei?"
"É melhor irmos, ou nosso bate-boca permanecerá ao seculo XIX"
"Antes disso, vou tomar um café"
"Como voces vão? Acabei de fazer um bolo."
"Como sempre deve estar otimo. - Falei"

Observei Maria até cergar-me, ela notou, mas como não. Alfredo tambem a olhava mas era discreto e quieto.
-Pedro, esqueci de avisar um rapaz que tinha perguntado-me sobre o Jornal, ja volto, dentro de alguns minutos ja voltarei.
-Tia vou bscar mais pão. - Disse Maria.
- Mas menina tem bolo aqui?
- Mas prefiro pão, ja volto.
- Mas que menina louca! Maria anda tão estranha, parece moça de cidade.
- Tambem notei. - Exclamei eu.

Não sei onde foi Maria, muito menos Alfredo. Uma hora estamos todos juntos outra vez estamos separados, apenas por um pão. É estranho.
Maria sumia como uma espiã profissional. As vezes estava, as vezes não. Queria saber onde ela anda por todo o tempo.
Alguns minutos...
- Voltei, viu não demorei! - Disse Maria com um radiante sorriso de orelha a orelha.
- Dá proxima vez, como o que tem e nao me deixe falando sozinha. Ta ouvindo Maria?
- Tô tia. - Respondeu ela com seus olhos sarcasticos.
- Olá disse que voltaria logo, ontem o rapaz perguntou como funcionava o Jornal, disse que conversaria com ele pela manha.
- Oras! Oras! Coisas dali, coisas de lá.
- É melhor irmos Pedro! Dentro de alguns minutos a reunião irá começar.

Levantei-me da cadeira velha marrom, dei um adios e sai pela porta, despedi-me da senhora bonita a minha frente e não foi possivel falar com Maria.
Por fim, ela olhou com um sorriso discreto e acenou com as mãos se despedindo.

# Costuma elogiar todas as mulheres que conhece senhor?
-Não, não, apenas voce.
- Verdade?
- Como não seria. - Ela aproximou-se jogando teus longos cabelos para tras, chamando a atenção, para teu rosto, para teus olhos, cujos olhavam a alma.
Com teu sorriso incerto e malicioso.
- Senhor não devia estar aqui! - Vagarosamente agora pondo suas mãos a camisa o puxando para si.
Mas uma vez não hesitou, loucura, e beijei-a novamente.
Precionava para meu corpo, precisava senti-la de perto, parecia que apenas beija-la não bastaria para mostrar-lhe minha paixão. Meu coração sangrava aos chorar de amor, ela não se intimidava ao abraçar-me, não parecendo aquela menina dos olhos sedutores, fragil e inocente e sim uma mulher sem juizo ou coerencia, sem dicernimento, ardendo pela chama do fogo do teu corpo, movendo-se como as outras.
Senti a interropição, o calor se esvairando e tua boca se separando das minhas, teu braço pressionando para tras e sussurando em minha face.
"Gosta tanto de mim assim ?"
" Gostar? amar? sim - Tuas mãos inocentes, eram mais fortes.
"Puxei novamente e ela se distanciava da minha face clamando por ela.
- Se não comentar nada há ninguem, continuarei a te beijar! - Falou de modo medonho nos ouvidos.
- Acha que contarei? Achas que quero-te longe.
- Que bom, espero que seja nosso segredo. - Subitamente retirou-se de meus braços e correu como uma louca para dentro.

Um tanto pasmo, disfarcei e sai." #

Os dias se passavam.
Continuei a encontrar com Maria e a manter nosso relacionamento em segredo.
Ninguem desconfiava, nem mesmo tua tia Josefá. Apesar de gostar de nossos encontros e de fazer tudo para ocultar até de Alfredo, minha mente ficava um tanto pertubada em pensar que estava enganando a mulher que cuida da mulher que amo, ou de fazer com que Maria, tão doce e delicada como uma qualquer.
No dia seguinte aconteceu uma grande e bagunçada festa. Não deixei de ir, alias era minha ultima semana na cidade.
A tarde já estava passando e a festa ainda em cheia.

-Senhor Pedro! Esta gostando da festa?
- Muito dona Josefá, nunca vi tanta alegria assim. - Sentado perto das mesas onde servia os alimentos da festa ainda conversando com Alfredo
- Então não deixe de aproveitar e o senhor Alfredo esta gostando tambem?
- Como não gostaria?
- Boa festa rapazes, se precisarem de alguma coisa estou por aqui.
- Tudo bem, até! - Conclui
- Pedro! - Disse Alfredo parecendo nervoso, colocando suas mãos sobre a cabeça.
-Acho que precisamos ir embora, porque ja fizemos os projetos de tudo, certo? e ficar essa semana é desnecessário.
-Mas semana que vem nos ja vamos!
-Então Pedro, mas sabe o que é, eu ja enjoei dessa cidade, não quero mais ficar um dia aqui.
- Alfredo voce esta bem?
- Estou bem sim, não vê.
- Não parece, esta suando sem parar.
- Não posso pensar mais agora.

Maria aparece por alguns minutos e ja na roda começoua dançarolar com as outras mulheres.

-Olhe! Feliz dançando como se nada tivesse acontecido. - Sussurou Alfredo, pouco nervoso.
- O que esta acontecendo? O que Maria tem haver com isso.
-Não disse nada sobre ela, esta louco.
-Acabou de bocejar sobre Maria.
- O fato é que não gosto dessas danças ridiculas e essa alegria morbida, futil que esse povo transmite.
-Acho que voce bebeu demais hoje.
- Vou ir, senão voce vai me encher a noite toda. Estou indo.
-Vá! Ve se dorme!

Ele caminhava em direção ao casarão de Josefá no outro bairro. Entretando avistando-me, vinha Maria a minha direção, com teu jeito proprio de andar e suas saias longas de cigana esvoassando sobre as luzes foscas dos postes
-Oi Pedro? Esta gostando da festa.
- Estou sim Maria.
Ela sentou ao meu lado e falou baixo.
- O que horas vai para casa?
- Só vou esperar um amigo para lhe entregar o projeto e vou.
- Vai demorar então?
- Um pouco, talvez.
- Esperei te esperando, ja vou indo.
- Já vai, ainda mais tu que gosta de festas.
- Estou um pouco cansada.

As horas se passava meu dever do dia ja estava feita, alias tantas loucuras de trabalho que minhas viagens de descanso tornou-se emcomoda.
Levantei, caminhei para a casa, exausto, louco para encontrar Maria e passar horas e horas com ela, a razão de continuar na viagem.
Estava tudo apagado, ja estavam dormindo, Alfredo, Maria.
Entrei subindo os degraus silenciosamente para não notar-me perambular até o quarto de Maria, principalmente Alfredo.
Ao chegar entrei e deparei com Maria deitada sobre a cama branca e macia. Fui perto, coloquei as mãos ao rosto moreno, movendo suas mechas de cabelo para tras, ela então acordou-se, ergueu-se e me beijou.
Alguns passos la fora.
Maria atenta ouviu e disse.
- Quem será?
- Acho que Dona Josefá chegando.
-Não! A festa ainda nao acabou, espere vou ver.
Levantou foi até a porta e saiu. Enquanto isso levantei-me e caminhei até a porta.
-Trancada? - Comecei então a chamar - Maria, Maria! Tranco a porta?
E nada, ainda assim pressionava a porta e nada.
Sentei na cama, esperei e cade Maria que desapareceu a alguns minutos, e assim começava a formar conspirações na minha mente, "Será bandido?", "Será que raptaram Maria".
Um barulho pequenino na porta, levantei-me vagarosamente, ligeramente toquei a fechadura, mais uma vez a empurrei e abriu, simplesmente agora esta aberta.
Assustei-me em sair, mas não hesitei, percorri o corredor ao quarto dos fundos, cujo eu e Alfredo dormia.
A porta estava encostada como de costume. Nesse corredor praticamente todo escuro, nao se via absolutamente nada, apenas um reflexo vindo pela fecha da porta, clareando aquele pedacinho do tapete vermelho no chão.
Cheguei perto, temendo alguma coisa, minha preocupação com Maria apavorava ao ponto de tremer.
Empurrei! Estava escuro, a janela estava aberta como eu havia deixado, era de onde saia aquele risco de luz ao chão.
-Alfredo! Alfredo, acorda, aconteceu alguma estranha a Maria sumiu. - Falei baixo.
-Alfredo! Acorda! - Falei mais alto. - Alfredo!

Abri a janela, fui até cama.
-Alfredo! Meu Deus, Alfredo acorda, voce esta bem, Alfredo.

Meu desespero foi enorme, acendi a luz do quarto, fiquei ao lado de Alfredo, o balançando, gritando desesperadamente, balançava-o e ele respirava pouco, mas respirava e continuei a gritar para deixa-lo ainda consciente.

Nu e ensanguentado, coberto por um lençol branco, encharcado de sangue.

A unica coisa que poderia fazer é pedir ajuda. Imediatamente corria a porta, os corredores. "Maria! Maria! onde voce esta?"
Corri de um lado para outro procurando Maria e nada, voltei então para o quarto para carrega-lo e leva-lo até uma posto medico mais perto.
Derrepente, cai para a parede, torto, sentindo uma forte dor na cabeça, nessa escuridão, só poderia bater contra a parede.
- Que dor! Que dor! - Corria a mão sobre minha cabeça, espelando sangue, escorrendo sobre meus olhos. Levantei aos poucos, tentei apoiar-me nas paredes a qual estava encostado, foi quando veio mais uma tremenda dor em minha barriga, recebi uma forte pancada, cuspia sangue e nem passava-me a cabeça o que estaria acontecendo, dessa vez nao foi uma trombada com a parede.
Retorcia-me de dor, olhei para cima, tentando ver alguem, só aparecia o maldito reflexo da janela, pelo menos dava para ver que realmente era alguem, um reflexo de algo movendo algo nas mãos.
- "Maria é voce!" - Falei quase sem voz.
- Adivinho Pedro! Vejo que voce nao esta bem!
-Maria! O que esta fazendo! Começei a empurrar meu corpo sobre a parece para apoiar-me em pé.
- O que estou fazendo? Não vê, ou acha que eu estou tentando te matar.
- O que aconteceu com Alfredo, Maria, foi voce? - Quando recebi uma nova pancada na cabeça, Maria acabava de me acertar com uma especia de taco.

Absolutamente torto, com uma forte dor comsumindo meu corpo, ela começou a puxar-me pelos pés, até o canto da parede, ao lado da cama, esticou Alfredo na cama, que movia os dedos, ainda desmaiado sobre a cama.
Ao lado pegou uma garrafa, cuja começou a molhar a cama, o corpo de Alfredo, jogou sobre minhas pernas e rostos. E fez justamente o que eu pensava, com uma caixa de fosforo sobre a mão, nao pensou duas vezes, jogou palitos sobre a cama, a qual iniciou um fogaréu.
Apesar de minha dor enorme, a dor maior era ver o corpo de meu melhor amigo ainda vivo, sendo devorado pelas chamas, a quais percorria e começava a forma-se em minhas pernas.

Logo apos a visinhaça começaram a notar o fogareu, cheiro de queimado e então logo depois foi chegando corpos de bombeiro, tentando apagar o fogo que alastrou-se aos quartos do lado, praticamente pegando todo o segundo andar do casarão.

Na manha, todos ainda estavam atordoados, procurando evidencias de como aconteceu o incendio.
- Mainha como aconteceu? - Abraçava-a a senhora a sua frente, desesperada.
- Não sabemos, o andar debaixo não foi atingido pelo fogo, mas o de cima, não ha mais nada disse o Bombeiro.
- Mas esses quartos são os de Pedro e Alfredo. - Disse a jovem.
- Sim, mas não estão com voce? - Pergunto dona Joséfa.
- Não, minha mãe!
- Meu Deus, será que estavam dormindo, Meu deus, achei que estavam com voce! - Altamente começava a gritar.
-Calma! Calma! - A visinha, amiga de Joséfa começava tentar acalma-la.

Alguns policiais, depois de conseguir apagar todo o fogo, inevitavelmente veio até a Joséfa e seus conhecidos, e noticiou o corpo de um dos falecidos, comentando sobre o carbonizado corpo do rapaz irreconhecivel.

Joséfa estava quase desmaiando, foi amparada por uma de suas amigas, enquanto Maria estava desesperada, tambem tentavam acalma-la.
E começou a perguntar sobre dois possivel corpo.
- Mas não são dois? - Perguntou Dona Joséfa ainda consciente.
- Apenas um, não encontramos mais corpos.
- Que corpo? O meu?
- Pedro! Chamava com felicidade dona Josefa.

É como dizem, alguns surgem dentre as cinzas.

Maria mentalemente atordoada e falsa coo si só.
- Pedro! Esta vivo? Como esta vivo, não estava no quarto! - Perguntava a cada minutos a mesmas perguntas.
- Calma Maria, estou vivo! - Respondi e fiquei calado, esperando que continua-se falando.

Os policias logo vieram especular-me como fiquei vivo, se estava no quarto, onde estava e coisas tipica de policias
Não comentei nada, apenas disse que levantei e segui para fora.
Logo trataram de levar-me ao hospital, medicando minhas pernas que embora em carne viva, permanecia sem muita dor, minha cabeça ensanguentada era cuidada e enfaixada..

As coisas pareciam bem!
Os policias esperavam por mim, fora do hospital. Inevitavelmente na delegacia, começaram a perguntar-me tudo novamente, e pediram-me para descrever a possivel pessoa a qual nos renderam e causaram o incendio.

- Não vi nada, estava inconsciente, quando acordei vi o fogaréu e levantei!
Continuaram as perguntas e não fiz questão de responder a realidade.

Nada mais, passou o dia, conversei com Dona Joséfa. Logo apos esta acompanhou-me ao cemiterio na cidade, o qual estava Alfredo, sem familia e sem absolutamente nada, fora seus terrenos e casa no Rio de Janeiro, deixei que o enterrassem na propria Bahia.
Levei algumas flores, a quais ficaram bonitas em cima do tumulo com um radiante e escaldante sol de Bahia.
Por fim voltei para uma outra casa de Dona Joséfa.
Começei a relacionar-me com Maria novamente, por pouco tempo antes de voltar a cidade Maravilhosa, apenas aproximadamente por dois meses e alguns dias, não falei muito com ela, apenas tive o que sempre quis desde quando cheguei nessa cidade: Ela.

Amar é amargo, mas esquecer é realmente divino!

Priscila Faria.

Concluido

De versos sem loucura

Não ligo mais para quem escreve versos.
Poemas anexados em caixas postais.
Que bem! Nem chegam ao seu destino,
estão sempre cheios de ocupações
sempre cheios de detalhes
angustias de alguns loucos
amores de loucos de pedras
paixão de capital,
Não querem nem se quer tocar em algo que realmente os cercam.
Ou será que ainda existe amor
para se fazer poeminhas perfumados
banhados a petalas de rosas,
sob o som de tango e um gole de vinho-sangue?
Espero que um dia acabe com os versos
assim como acabaram com os amores platonicos dos poetas,
e assim como acabam com os poetas tambem.

terça-feira, 10 de maio de 2011

Um brinde


Andei pelas ruas, entorpecido de champanhe barato. Que motivo teria eu de comemorar senão a pura loucura etílica que me invade? Será o álcool ou parece mesmo o Show de Trumman misturado com algo ainda mais bizarro, como um programa estrelado pela Paris Hilton?
Um cachorro passa me encarando com seus pelos negros e engrenados. De repente estou num faroeste americano. Digo: “não há lugar para nós dois nessa cidade”, e com um movimento da mão direita, minha arma não poupa aquela pobre criatura. Com certeza não verei esse cão nas redondezas por um bom tempo. Um brinde ao álcool, barato e acessível às massas, Machado que se dane!

Uma canção!

Numa terça amanhecida cedo, com algumas folhas, uns lapis, algumas escritas e uma louca tentativa de concentrar-se, um animo absurdo... Uma pausa, um inesperado passeio pelas cordas de um violão e um poema cantado ...consegui relaxar.

domingo, 8 de maio de 2011

Mediocre, eu?

Eu sempre tive medo de me tornar mediocre. Ter um emprego insignificante, não ser reconhecida pelo meu talento ou por minha inteligência. Sempre tive medo de morar no suburbio, casar e criar filho como coelhos, passar todas as festas de final de ano na casa de parentes ou amigos, viajar só em julho, ou quando as crianças não estão de recuperação no colégio. Tive tanto medo que não me tornei mediocre. Estudei, me formei como a melhor. Todo ano viajo pra um lugar diferente. Quando eu quero, não quando posso. Não sou casada. Nem tenho filhos. Nem pretendo ter à essa altura do campeonato. Então porque será que não me sinto feliz? Porque será que todo dia quando acordo com a cama vazia, choro de saudade de sei lá o que?

Mediocre, eu? Não.
Infeliz.
Morta.
Causa? Suícidio.

sábado, 7 de maio de 2011

É tradicional!

Não sei se ja comentei nesses blog, mas eu tenho uma grande consideração e certa paixão por ambiente de bar, bares classicos, botequins, pequenos, grandes, aconchegantes, e toda a tradição que rola no interior. Nem tem mais nem menos, são conversas seja la do tipo que for, condutas diferente, gestos diferente. Não sou de passear de noite devido a minha idade (nem é tão assim tambem) e a proteção absoluta e acredito que unica de minha mãe. É um territorio normal, onde o drama de todos os dias, não é só se embriagar e desligar o mundo e a tradição.
Um lugar para apreciar uma boa conversa fiada, dar risada, comer, beber, ou seja viver, claro! tudo isso na companhia de um bom e velho gole de vinho, necessariamente o meu forte, nada que seja melhor para aquecer em uma noite um pouco gelada como a atual. Um pequeno e aconchegante bar da zona leste de sampa, é mais ou menos tudo isso que cito, um bom lugar para se jogar conversa fora, falar sobre conversas nem tão femininas, poetas, textos, jornalistas. Um detalhe; Um vinho, uma cachacinha mineira para aqueles que apreciam, nada mais que uma noite boa ao lado de alguns familiares e amigos, no som de um bom violãozinho e vozes soltas enlouquecidas e uma boa carne para acompanhar o bar de Jur é assim, para dizer perfeito ainda falta algumas coisas, mas esta no ponto.
Pois bem tudo tem que ter um mal, o meu foi nada menos que meus abusados habitos alimentares, os quais estou querendo mudar e deixar a companhia das felizes gorduras que fazem parte da minha vida, mas todos sabemos o sofrimento de se auto educar a alimentação, especialmente quando se trata de tirar um churrasco do caminho e outros gostos estranhos que tenho, mas por fim a "Lei seca" acabou, dieta alias, a qual para falar verdade não vem dando certo mesmo, só espero cumprir esse ponto da lista de 2010 se tudo der certo. Mas o Bar é outro assunto ... coisas vão e vem! É um ciclo.

sexta-feira, 6 de maio de 2011

Europeus? Oportunismo?

Claramente podemos ver o verdadeiro sentimento de nosso querido bom de papo: Galvão, com seus comentarista da mesma tigela e o grande Fenômeno.
Mas voltando a copa de 2010 e um pouco mais antes, a de 2006, algumas comparações nao chegam a ser tão irrelevantes.
Vimos o nº10 de 2006 se calando em relação a imprensa nos ultimos jogos da copa da tretacampeã, mesmo não contando todo o fiasco que o 10 fez, ou aquilo que deixou a desejar, depois de falar bastante e podemos colocar um bom "Bastante" nisso. Ta bom, então é uma especie de pressão? Ou alguma tipo de azar mesmo?

E a questão da gordura do 9, acho que deve ser a questão de todo gordinho, todo mundo sabe porque esta gordo: Comer mais do que deve, acontece uma quimica forte no corpo e grande!
É um caso que os medicos nao precisam vir e falar que voce "sofre" de gorduras acumuladas, e olha que tem medicos muito bem pagos que inventão essa tal comcepção da gordura.
Na copa 2006 vimos o que uma grande quantidade de massa e gordura pode causar no futebol de uma pessoa, vide os cansaços apos 5 minutos de jogo.
Vamos dizer que ele passou por uma especie de "Bullyng jornalistica" literalmente, com imprensa e fãs o chacotando a copa inteira e olha que dois gols feito em um jogo não é pra menos, mas depois disso, voce não é mais; O gordo, nem mesmo o fracassado como te julgaram.
Pena que nem todo o gordinho sabe fazer gol, se não poderiamos salvar a patria do vexame e ser o queridinho do Galvão que voltou com seu ironico e tolo humor, e até mesmo dar umas entrevistas na Rede Globo.
Emfim, nesta ilustre copa, Robinho e Juninho as revelações brasileiras do ano, os mestres, os melhores do mundo, estavam com vontade de jogar como se fosse o campeonato brasileiro, mas dai virão que a "Copa" não era bem assim, enquanto isso o Grande treinador Zico treinava a seleção Japa e que no ano de 2010 deu o seu recado para Zico. Um verdadeiro CHUPA!
Vamos dizer que isso é um oportunismo!

Conexão Skid Row e Bon Jovi - Confusões.

Por Priscila Faria.

Acredito que todo amante de musica deve conhecer a historia do Bon Jovi, aquela velha historia de 1982 um rapaz lutando para se encaixar no mundo da musica e assim conseguiu trabalhar em um estudio e gravar suas musicas e coisas e tal
Mas há coisas interessantes no inicio da carreira, e uma das coisas que muitos desconhece é que apos o sucesso de" Runaway", começou a procurar membros para uma banda, esclarencendo que o sucesso de "Runaway" foi gravado por ele e musicos do estudio, certo. E entrando no assunto, o guitarrista que o acompanhou no começo foi Dave Sabo, amigo de infancia. Só depois Dave foi substituido por Richie Sambora, que cujo ja tentaria ser guitarrista do Kiss e nao consegiu. A saida de Snake não foi por rixas como dizem as mas linguas e sim amigaveis, tanto que prometeram ajudar um ao outro a conseguir fama em bandas e etc.

E pra constar creio que quem gosta de Skid Row e Bon Jovi e principalmente de rock progressivo, lembra de uns dos fatos importantes em relação a epoca, quem se lembra de Derek Shulman da master banda Gentle Giant? pois então esse foi o primeiro executivo que notou a banda. Mas Jon lançou as musicas na marra praticamente, em um CD chamado The Power Station Years, algo que desagradou Jon.

O baixista um dos musicos que gravou "Runaway" que foi para as radios de toda a Nova York e iniciou a carreira de Jon, era Hugh McDonald, cujo mais tarde substituiu Alec John Such, quando saiu da banda que por incrivel que parece até hpje é motivo de polemica entre fãs, saiu apos o lançamento da coletânea Cross Road, mesmo gravando os dicos feras Hugh nunca foi um integrante oficial.

Jon não tinha intenção de formar uma banda solo e sim uma banda tendo componentes oficiais. Mas vemos que desde o inicio Jon opitou por seu nome, mas nao foi bem ele, o nome foi sugerido por uma empregada de DOC MCGHEE, empresario do grupo, que baseou-se em nomes como Van Halen, banda com o nome do vocalista e tal.

Já o Skid Row foi formado somente anos depois por Dave Sabo e o baixita Rachel Bolan. Mas interessnte notar tambem que foi mais um nome adquirido por outra banda famosa. O Skid Row originalmente era irlandês que gravaram no inicio da decada de 70, talvez alguem deve conhecer, principalmente entre os fãs de Hard Rock setentistas e claro por ter tido o guitarrista Gary Moore integrante do Thin Lizzy. Ou seja o valor do nome da banda foi de 33 mil dolares se nao me engano, isso mesmo!

 Visto que Bolan e Dave eram os grandes cabeça das musicas do Skid Row e que por sinal grandes genios, quando Sebastian Bach entrou o material para o disco estava completamente pronto. E nada mais polemico que Bach, um dia depois de entrar na banda ele tatuou no braço direito "Youth Gone Wild", que logico, acabou confundindo os fãs, achando que ele ajudou criar as composições.

Eles gravaram o primeiro disco em janeiro de 1989 e logo saiu em turne com a explosiva cançoes classicas até hoje e junto com nada mais que o proprio Bon Jovi na Nwe Jersey World Tour (veja no youtube). Antes disso assinou com a Atlantic Records graças a influencia que Jon Bon Jovi e seu empresario tinham na gravadora. E com a presença do CARA milhoes de copias foram vendidos

Muitos dizem que Jon deu um ajudinha nas composições, tanto que em uma revista Jon diz que por cerca de um ano ele e Richie escreveram musicas com eles, pagou por estudio, aluguel de carros e etc.
Deve ser por isso que o Skid Row assinou um contrato com Jon e Richie, cujo contrato dava os direitos de publicidades do Skid Row para a dupla. Isso só foi revelado anos depois com uma briga de Sebastian Bach com os integrantes que resultou em Bach fora da banda. E assim revelou isso a imprensa. E ainda por cima ofereceu seus serviços ao Guns n' Roses que estava em crise com o Axel Rose na epoca, dentre 1990.

Sebastian desde que entrou ao Skid Row, começou a achar-se o maior do mundo e o triunfo do Skid Row e Jon numa entrevista disse que teve que dar um "tapinha na bunda" de Bach, apos ficar sabendo, Bach ligou para a revista e revelou muitas coisa. Revelou que Jon ia conversar com ele acompanhado de seus irmãos e seguranças e disse: "eu queria que ele conversasse comigo sozinho, afinal se houvesse uma briga quem ganharia, um peso leve fã de Bruce Springsteen ou um peso pesado maníaco por Metallica?".

Pelo contrato, apesar de Skid Row fazer um imenso sucesso na epoca e até hoje, pareciam estar sempre devendo a Jon.
Sebastian declarou: "eles têm 70 milhões na conta e ficam desesperados em pegar 2 milhões extra da gente".
O resultado foi que o contrato foi cancelado, talvez tambem para nao dar briga entre Jon e Snake.

Ajuda pela amizade e por brigas por dinheiros, formou a união dessas bandas e logico sucesso devido a qualidade de cada uma. Ao contrario do que as vezes podemos concluir é que pode nao acontecer exatamente como o contado, mercenarios, inocentes? Não sabemos, tirem suas conclusóes lendo o livro "The True story of Bon Jovi"

Um unico detalhe faz realmente a diferença


Nesta segunda-feira foi o dia. Não é raro voce entrar na internet e deparar com uma noticia antes que todo mundo ouça pela tv.
Madrugada de domingo, abrindo a internet para deparar logicamente com isso para ter motivo para debater na facul de manha, a noticia estava lá: Osama Bin Laden morto!". Nem pesquisei bolhufas sobre o assunto, apenas resolvi dormir logo, pra levantar mais rapido possivel e ir ver os comentarios que o povão do trem provalvelmente iam discutir.

Sobre o titulo, nem preciso dizer nada, alias que são compativeis são, ninguem pode negar, que os dois sao as grandes figuras atualmente na imprensa, ninguem pode negar, nem só isso, que por incrivel que pareça, os dois tem semelhanças incriveis, um visto como melhor heroi do mundo, e outro como o pior vilão do mundo, os dois tem um nome não muito diferente, e moram em casas chiques e de luxo e não em cavernas e buracos dentro de um deserto.
Mas pois, bem que os filosofos disseram, um detalhe faz a diferença!
E como faz. B e S, essa é a divisão entre o vilão e o heroi e o que isso pode causar em uma conversa fiada, pode ser como um terrorismo.

Pow! Poxa vida! Ninguem estava nem ai para essa novidade, acho que nem sabia, só os que passavam a noite no pc mesmo, alias o Jornal Nacional da globosta ainda não havia dito essa noticia.
Dai em um sinal de provocação, resolvi falar com uma colega de trem de todos os dias: Ah! Meu o Obama morreu! Por hora todo mundo discutindo no trem de uma fofoca pessoal, sempre tem aqueles que não tem vergonha da conversa e começa a falar mais alto do que todos, querendo ser mais justo do que Deus, em questão de discordar de opinião.
Até que. Chegou alguem com seu celular do lado e começou a rir. "Que Obama, é Osama!! OSAMA! e continuou a rir.
Isso, dai alguns começaram a falar quem foi o doente que disse que o Obama morreu e continuaram a conversa da caverna do dragão do Bin Laden, é nessa hora que a gente fica quieto enquanto o do seu lado fica olhando com cara de "foi voce, vagabunda", mas é só colocar outro assunto no meio e pronto a conversa passou a ser: As bombas no trem!

Por isso que um pequeno, por mais pequeno que seja o detalhe, voce pode morrer!
Ainda mais quando esse pequeno detalhe é um nome, pode mudar uma historia e transformar agua em vinho.
É como uma comemoração de final de copa do mundo entre rivais ou feita quando se acha que ganha uma batalha contra terrorista depressivos, sempre são detalhes, são erros fatais.

Emfim só espero que no fim, a conversa no trem esteja errada, e com o passar dos meses, não aconteça mais um filme do cineasta mais famoso do mundo Obama, ou melhor OSama, mas só espero que não ganhe um oscar por isso, nem seja mundialmente o maior esconde-esconde da historia, pois este ja existe.