sábado, 27 de junho de 2009

Suicidas no Japao


É incrivel a taxa de suicidios que formou no Japão, exclusiva de uma materia jornalistica de uma amiga que esta no japao, a paginas exclusivas nos jornais japoneses para publicar os suicidios, em todas as faixas de idade. o mais incrivel disto tudo, é a posiçao do governo, cuja é para manter a paz da sociedade (piada do seculo, inclusive), os proprios estão fora desta questão, mantendo-se neutros, sem colocar alguma ação, ou uma espécie de solução, atendimentos a tais pessoas. Muitas optam pelo método de sua própria execução, por falta de companhia em casa, ou após a perda de um emprego, ou para manter uma certa honra em relaçao a familia.
A casos inutéis, apenas por uma certo querer se suicidar, e outros por causas verdadeiras, muitas familias buscam o crescimento da situaçao financeira, assim como diz Jannet Ribeiro, jornalista e historiadora, moradora do japao, cada membro da familia, tem de ter seu proprio veiculo, seu porprio trabalho, ate mesmo seus proprios eletrodomesticos, como a tv, dvd, telefone, etc. Alguns trabalhadores autonomos, para manter sua familia salva da pobreza ou ter ajudas medicas, educacionais, acabam se suicidando, porque somente assim terão ajuda do governo.
Pais e Mães que não param em casa, leva crianças a solidão, sem a presença na escola, de ajudas, ou de ao menos a companhia na hora das refeiçoes, eles apenas chegam do trabalho e dorme.
Sites de suicidios é o mais comum, jovens entre 16 aos 20 anos são os que participam destas comunidades na internet, e buscam companhia para suicidar-se, as autoridades estão buscando fechar os sites, mas sempre a novos sites.
No Japão a taxa de suicídio é uma das mais altas entre os países industrializados.
Mais de dez casos de jovens mortos em carros apos acenderem vários braseiros portáteis, e se envenenaram ao respirar o monóxido de carbono da combustão do carvão queimado dentro dos veículos fechados por fitas isolantes, e etc. Muitos se jogam em linhas de trem (e ainda por cima, as autoridades culpam as familias dos danos causados nas linhas do trem ­(-.-) ).
A pressão nos estudos escolares, a falta de atenção, a solidão, as crises financeiras, estão levando a decadência de uma das nações mais ricas do mundo.

bye, abraços da P.

sexta-feira, 26 de junho de 2009

A volta ;



(Foto: Eu fico pensando - tirada por Pâmela)

Olá pessoas!

Voltei, por mais parivel que increça não foi hoje, voltei no mesmo dia, um tanto quanto cansada, e com a semana corrida não deu pra contar como foi, sorry.

Babys, descreverei meu domingo de palestra pra vocês bele?

Cheguei lá, meia hora adiantada, fiquei na sala, me enchendo de suco, até que o sr. Giba (coordenador da Poli) apareceu e deu seu ar da graça.
Palestra incrível, vou resumi-la.
Primeiros minutos, Giba contou sua história, de como um engenheiro de produção acabou se apaixonando por física e pela arte de lecionar, perguntou nosso perfil, do tipo: "Quem aqui quer uma vida segura e estável, do tipo chegar as 6hrs todo dia?" - Pessoas, ninguém levantou a mão, e o cara adorou, chamando agente de ambiciosos e tal - Beleza, começou a exibir então o datashow, quando de repente...BLAH! Escuridão. Eletropaulo resolveu fazer uma revisão bem na hora da palestra!
Pensem em um cara, de mais ou menos 1,90 de altura, no escuro, com a lanterna na cara! Eis GIBA!
Esperamos mais uns 20 minutos, e nada. Ele perguntou se agente queria remarcar, e claro que não, preferimos ver a palestra no escuro mesmo. Foi bizarro e incrivel. Lanterna era a única luz que tinhamos.
Agora vamos ao que interessa, saber o que é de fato licenciatura, bacharelado, e tudo mais.

Licenciatura, é um curso ideal pra quem quer lecionar. E só é possivel lecionar, para o ensino médio tendo licenciatura.
Em algumas universidades, você pode fazer bacharelado - que é voltado mais a iniciação cientifica - juntamente com licenciatura, que é exatamente o que pretendo fazer.
Algumas dúvidas que eu tinha, tirei no final da palestra conversando pessoalmente com o Giba. Uma das minhas dúvidas era se podia fazer mais de uma especialização, do tipo: Biologia. Especialização em bio marinha e além disso, em botânica. E é sim possivel! Perguntei: "então, se eu quizer, posso me especializar em tudo?", "Claro, mas você, na faculdade, vai se interessar mais por uma coisa, e vai acabar se especilizando nela mesma" - seguida de um generoso tapinha nas costas.

Em seguida, houve o encontro com os profissionais. Todos bacanissimos. De fato, o biologo não me impressionou muito, não tinha muita experiencia nas areas que eu escolheria, portando não pode me responder muitas coisas.
Adorei o médico. Ele disse algo lindo, que devo retransmitir pra vocês;
"Sei que é fogo época de vestibular, por isso admiro muito esse cursinho, pois é muito diferente daqueles cheios de mauricinho que te tratam como mais um empregado.
Sei que muitos de vocês, acordaram cedo nesse domingo para vir aqui. Sei também, que muitos desejam cursar medicina, mas como medicina é supostamente 'dificil' de entrar, vocês se amedrontam, e levam isso para o vestibular. Mas gente, se é o que vocês gostam, não pense negativo. Na hora do vestibular, pense: Se há 150 candidatos por uma vaga, 149 perderam, pois essa vaga, já é minha".

A-D-O-R-E-I!

Sai muito confiante de lá, o cara realmente sabe o que dizer.

Infelizmente não encontrei um químico, e essa terça, quando tinha um - o professor - tava tão mal que sai correndo, nem tive tempo de conversar com ele. Mas semana que vem, ele não me escapa!

Bom, acho que é só. Alguma dúvida, pergunte nos comentários, se eu souber, com certeza respondo!

Esse domingo: Simulado! Dessa vez, um pouco mais tarde - graças a deus!
Depois conto como fui, beleza?

Beijo moçada, vocês sabem onde

quinta-feira, 25 de junho de 2009

domingo, 21 de junho de 2009

De tudo tenho


Acho que me deste de tudo
Mais para o meu padecer
Mais para o meu sofrer
A lingua que é muda
O olhar que nao senti
O coração para morrer.

Pintor da escuridâo



Nós portoes da dor e tristeza
Onde o destino naquele dia me esqueceu;
No velho que lá adoeceu
E seu destino bom desceu

Sou aquele pintor, que pinta por diversão
Nas trevas pintei;
Pelos pinceis retratos malditos criei
E mui devora o meu proprio coração

Onde atingi a velha perfeição suprema
Súbito dia que aparece o sol que brilha
Fantasma maldito és de dor intensa
Chegamos e atingimos a imperfeição extrema.

Sabe aquele pintor que fui
Que pintava escuridâo e surgia a dor
E que pegou o fogo e sentiu seu intenso odor
E no final a escuridão adornada com a solidão reluz.

Oh! Que desgraça fiz
Quem ha de perdoar-me
Nem aquele que estremeceu e palpita
E, dando redia a minha perna favorita.

PF

Conto - Lembranças do velho

Um conto que eu fiz a séculos atras, para uma peça teatral que acabou nao dando certo, nada bom, apenas "O papo".

(se não me engano tem na base de uns 26 capitulos. historia narrada pelo protagonista. texto formal. Geralmente há capitulos longos e curtos. e é isso)

Capitulo I - A visita vazia ao vazio. (I parte)

Em uma destas noites passei a escrever alguns poemas, um desejo particular, apenas para colocar em papel aquela formações enigmáticas da minha mente pertubada e de algumas semanas passadas desacordada.
Ao editá-lo, indignado fiquei com o decorrer de minhas lembraças, uma horas lá, outras horas cá, recordei-me de uma grande casa que localizava-se na antiga rua Maristela da grande Janeiro, o lugar onde desperdicei alguns longos e também breves tempos de minha anterior e nada particular vida inútil, ainda posso lembrar da boa entrada, o cheiro das flores mortas caída ao chão, o jardim sombrio e florido, apesar do dias nada doces, outra coisa de que lembrei foi a classica e exuberante sala de papai, aquela cuja deu sentido pelo menos a uma parte de minha academia de letras, apesar de minha mente podre de velha, posso sentir o tempo em que meus dedos tocavam as pequenas teclas do piano de papai, para mim era uma imensidao, olhava para um lado teclas infinitas, olhava para o outro lado mais teclas infinitas, era como deitar em uma grande cama onde rodopiava para lá e para cá e ela nunca acabava. alem do piano de papai, nunca poderei esquecer da grandiosa pintura do teto e uma espécie de desenho que ali habitava, apesar de não ser algo mais decorado, o realismo dos traços acariciava-me os olhos, algo florescente ao mesmo tempo escuro, sóbrio como tambem alegre...fascinante, se essa for a palavra adequada, olhava para ela com horror, era tão real que dava-me vomitos de felicidade.
Naturalmente era o bom gosto de decora-la como les france, o que me deixava meio descontente, "porque não optar por um estilo da grandiosa janeiro, nao?", tudo girava em torno da França, do glaumour de Paris e de suas modas horrendas de tão bela. Entretanto havia, flores, figuras, louça velhas, tecidos caros, caixas, lamparinas e para todo outros lugares que não havia luzes, era habitada por sedas e mais sedas. Algo que papai me disse na epoca, era que continuava tendo o mesmo gosto de mamae por seda. E voltando aos detalhes da grande sala, nada era estranho e assombroso quanto aquelas paredes, brancas, sujas pelo decorrer do tempo, pelo o molhar da chuva que a fazia húmida e verde, é como meu rosto atual velho e feio e o meu rosto de menino, claro e inocente, nada tinha mais histórias, quanto aquela parede velha.
A história que carrego hoje é tentar mudar minhas estranhesas.
Agora como outrora esta selado nesta velha casa o contraste harmonioso da minha vida anterior.

continua.

Salamalék!

Na verdade, a transliteração é diferente, O correto é dizer "As-Salaamu 'alaykum" السلام عليكم (A paz esteja contigo).Para responder é "Wa-'alaykum asalaam" (E contigo também). Saudação em árabe, é muito espiritual e formal...

Gente, domingo, 06:12 da manhã! Geeeeente, que ano hein? Tenho uma palestra sobre vestibular, tipos de cursos e tal (o que é licenciatura, bacharelado, enfim...depois explico tudo pra vocês) e encontro com profissionais da área biológica, espero encontrar lá um químico, não sei se ele estará nas exatas, mas espero encontra-lo em algum canto e perguntar tudo, além do biologo, claro.
Vou indo, terminar de me trocar, tomar um café esperto e sair correndo, mais uma hora de trêm pra chegar lá! Tá ai suas desvantagens em morar onde o vento faz a curva.

Quando voltar terei uma matéria interessante (finalmente) nesse blog.

Beeeeijo no bumbum!

sábado, 13 de junho de 2009


Pretérito Imperfeito

Sim pessoas, enigmatica hoje. Tentando disfarçar algo que insiste em aparecer, que insiste em se evidênciar...

Sem muitas palavras hoje, só atualizando o blog. Deixo para vocês uma letra maravilhosa e o link da música, mas maravilhosa ainda.

Radiohead - Faust Arp

Wakey wakey
Rise and shine
It's on again, off again, on again
Watch me fall
Like dominos
In pretty patterns
Fingers in the blackbird pie
I'm tingling tingling tingling
It's what you feel now
What you ought to, what you ought to
Reasonable and sensible
Dead from the neck up
Because im stuffed, stuffed, stuffed
We thought you had it in you
But no, no, no
For no real reason

Squeeze the tubes and empty bottles
Take a bow take a bow take a bow
It's what you feel now
What you ought to
What you ought to
An elephant thats in the room is
Tumbling tumbling tumbling
In duplicate and triplicate
Plastic bags and
Duplicate and triplicate
Dead from the neck up
Guess im stuffed, stuffed, stuffed
We thought you had it in you
But no, no, no
Exactly where do you get off
Is enough is enough is enough
I love you but enough is enough, enough
A last stop
There's no real reason

You've got a head full of feathers
You got melted to butter


Tradução:
ARPEGGIO DE FAUSTO* (Faust ARP)

Bom dia, flor do dia
Começou de novo, acabou, começou
Olha como eu caio
Como figuras de dominó
Enfio os dedos no bolo
Sinto cócegas, cócegas, cócegas
É o que se sente agora
O que deve se sentir, o que deve se sentir
Razoável e sensível

Morto até o pesçoco
Estufado, estufado, estufado
Achamos que estava com você
Mas não, não, não
Sem razão alguma

Aperte os tubos e esvazie as garrafas
E curve-se, curve-se, curve-se
É o que se sente agora
O que deve se sentir, o que deve se sentir
O elefante na sala
Estrondoso, estrondoso, estrondoso
Em duplicatas, triplicatas
E sacos plásticos,
Duplicatas, triplicatas

Morto até o pesçoco
Estufado, estufado, estufado
Achamos que estava com você
Mas não, não, não
Aonde você quiser parar
Já basta, já basta
Eu te amo mas já basta, já basta
Ponto final
Não há razão alguma

Sua cabeça cheia de plumas
Derretida como manteiga


Pra quem não sabe, Fausto é o personagem de uma lenda alemã revitalizada por muitos artistas, como o escritor Goethe. Fausto deixou sua ambição e sua cobiça o levarem a ruína (através de um pacto com o diabo). Dizer que algo é "Faustiano" evoca o excesso que leva à destruição.


Devo lhes dizer que hoje estou meio 'faustiana'- meio dramático não? Mas falando sério ( e tomara que ninguém leia isso) não se apaixonem pessoas, ok?

Beijos faustianos para todos =)

Ah, uma imagem tirada da minha câmera pra vocês verem que eu possuo dons artisticos ;D

domingo, 7 de junho de 2009

I'm Still Alive

Yes people, I'm Still alive!
Ninguém me pegou na esquina e me estripou ;D
Para sua sorte, caro leitor, Jeniffer vive!
Vida longa a mim! (o.o)

Falando sério agora, estou extremamente revoltada.
Já explico.

Estava eu, andando por sites pesquisando noticias ou documentários sobre animais. Eis que acho um no MSN. Trata-se de um abaixo assinado que houve na China contra a caça dos ursos marrons. Enfim, procurei mais sobre esse assunto. E encontrei um site que explicava o porquê da caça dos ursos. E adivinhem? Por sua bilis.

A partir de agora vou descrever o que acontece com esses magnificos animais, pessoas sensiveis, apertem o "x" no canto direito da tela.

Atualmente, 7000 de ursos vivem em fazendas de extração de bílis na China. Os ursos são cirurgicamente mutilados e "ordenhados" para extração de bílis, diariamente. Esses animais são submetidos a requintes de crueldade assustadores.
Os ursos são colocados horizontalmente em gaiolas que mais parecem caixões, sem sequer poder mover-se, onde permanecem deitados sobre seus excrementos (o que lhes irrita o couro).



Com a pata, puxam a comida através do pequeno vão da jaula. Para saciar a sede, os pobres ursos têm que esticar a língua para lamber as barras da jaula.


Eles introduzem um cateter na barriga dos animais para sugar, permanentemente, o líquido de suas vesículas, a outra extremidade fica para fora da barriga do urso onde um equipamento de metal suga a bílis. Muitos morrem de infecções ou de complicações pós-operatórias. As dores do urso ultrapassam todos os limites imagináveis. Ele urra de dor, se mutila, procura suicidar-se.
Eles o prendem com um colete de metal, colocam-no na jaula com barras de pressão e o dopam.

Têm dores alucinantes por ficarem aproximadamente 15 anos na mesma posição, o que lhes deforma os ossos. Nessas condições de sofrimento intermináveis, eles ainda vivem de 15 a 20 anos. São 15 anos contínuos de dor!

As patas do urso são consideradas uma iguaria e usadas na preparação de sopas. Além disso, como as patas de ursos são muito procuradas e grande parte dos restaurantes estão prontos a pagar preços elevados por sua procura, na Ásia, certos criadores não hesitam em amputar uma ou mesmo duas patas dos ursos criados em cativeiro para extração de bílis. O consumo de ursos, tanto medicinal quanto gastronômica é legendário na Ásia. Esses consumidores acreditam que os primatas, os ursos e numerosos outros animais, mesmo os ameaçados de extinção, devem sofrer antes de morrer. Segundo eles, os animais martirizados e maltratados violentamente antes de sua morte, produzem uma quantidade de adrenalina que torna a carne mais suculenta e mais tenra.

Podemos considerar seres humanos aqueles que praticam tais atrocidades?

Quando mais conheço a humanidade, mais nojo sinto.

Então seres, vocês que leem esse blog e tem consciência, entre nesse site ( http://www.apasfa.org/peti/index.shtm l) e assine o abaixo-assinado, pra pelo menos, tentar mudar essa situação.


Para mais informações visitem os sites:
http://www.apasfa.org/peti/ursos/ursos.shtml
http://www.apasfa.org/peti/ursos/ursoshabit.shtml
http://www.aila.org.br/internacional_bfarm.htm
http://www.geocities.com/RainForest/Andes/1185/ursos.htm
http://www.geocities.com/Petsburgh/Zoo/4080/
http://www.ifaw.org/splash.php


Só pra lembrar, todos os animais tem os seguintes direitos:
Declaração de Direitos dos Seres Sensientes


0) Ser Sensiente
É um ser sensiente todo aquele que pode sofrer fisicamente ou psiquicamente,
e que se caracteriza por possuir um sistema nervoso e um cérebro desenvolvidos.
O conjunto dos seres sensientes compreende entre outros as espécies vertebradas,
os mamíferos (humanos ou não), os pássaros, os répteis, os anfibios e os peixes.

1) Direitos fundamentais
Todo o ser sensiente tem direito á vida e ao bem estar.

2) Principio de igualdade
No conjunto dos seres sensientes e devido aos seus direitos fundamentais,
as prerrogativas de cada um cessam onde começam as de outros.

3) Enquadramento legal
A lei rege os actos dos seres humanos sensientes.
As interacções dos seres sensientes humanos estão regulamentadas pela legislação existente.
As interacções dos seres sensientes humanos com os seres sensientes não humanos estão estabelecidas no artigo seguinte.

4) Modalidades
Todo o acto de um ser sensiente humano que atente contra os direitos fundamentais de um ser sensiente não humano é ilegal.
Consideram-se actos ilegais entre outros:
- A caça, a pesca, a matança para alimentação;
- os maus tratos ocasionados pela criação, a experimentação científica, os espectáculos, a domesticação.



LUTE POR ESSA CAUSA!


sábado, 6 de junho de 2009

"A última estação" de Jay Parini

Parini, Jay, A Última Estação (The Last Station), Editorial Presença, Tradução de Maria de Almeida, 2007.

Jay Parini escreve este “A Última Estação” após uma aturada pesquisa histórica que teve como principal fonte os diários de Lev Tolstói e do círculo de familiares e seguidores que o acompanharam no último ano de vida.
O autor convida-nos a assumir uma postura voyeurista ao partilhar a sua visão de “primeira fila” dos acontecimentos que decorreram nesse ano de 1910. E o leitor segue-o de bom grado ora integrando o grupo de tolstoianos mais próximos do maior autor russo do seu tempo, ora como observador da atitude rígida e persecutória da mulher de Tolstói, Sófia Andréevna.
As duas facções digladiam-se ferozmente e no meio deparamo-nos com um Tolstói ansioso por encontrar a paz absoluta em Iássnaia Poliána, a propriedade e casa da família onde o autor nascera e vivera quase toda a sua vida. Mas Iássnaia Poliana é o palco de sofrimento do velho Conde Tolstói onde Sófia Andréevna não o poupa, expondo a quem quisesse ouvir o conteúdo dos diários do marido, devastada por um ciúme doentio de Tchertkov, o mais amado dos discípulos de Tolstói. A suspeita das relações existentes entre os dois homens, dilacera-a e a desconfiança face às reais intenções de Tchertkov motiva-a na cruzada de humilhação que empreende contra o marido e na propagação dos seus medos, temendo sobretudo que a proximidade entre os dois homens trouxesse dissabores para a família após a morte de Tolstói e revelação do testamento.

Os últimos anos de vida de Tolstói são marcados por uma perspectiva marcadamente religiosa e social que o autor tenta aplicar à sua vida. Ele não quer ser o Conde Tolstói, mas somente Lev Nikoláevitch. Ele não quer viver rodeado de luxo, nem ceder a impulsos sexuais. Ele não quer conviver sob o jugo opressivo de uma mulher castradora, que lhe retira a paz tão desejada e lhe proíbe visitar e ser visitado pelo seu mais querido amigo. Ele quer fugir. Desaparecer.

Lemos as impressões de Sacha, a filha que vive em Iássnaia Poliána e que ajuda o pai no seu trabalho, sabemos que considera a mãe alguém profundamente teatral e egoísta, encenando achaques e mais tarde tentativas de suicídio para prender o marido na sua prisão dourada; temos acesso aos pensamentos de Bulgákov, o Secretário de Tolstói nesse último ano, reverente admirador do mestre que começa por sentir pena de Sófia Andréevna, mas acaba por pressentir a dimensão da paranóia da companheira de quarenta e oito anos de Tolstói; conhecemos a aversão que Tchertkov tem por Sófia e as suas maquinações para ter acesso ao mestre contornando o controle cerrado de Sófia Andréevna, o legado de Tolstói não seria pertença da família Tolstói mas do povo russo que ele tanto amava; as impressões do Dr. Makovítski, o médico pessoal, a propósito da saúde cada vez mais periclitante de Lev Nikoláevitch, os seus receios que a influência funesta de Sófia se revelasse, no fim, fatal; da própria mulher de Tolstói que manifesta todo o seu amor pelo marido e a necessidade em impedir a todo o custo o golpe que Tchertkov planeia; por fim, sabemos o que o próprio Tolstói pensa sobre este mundo que ameaça desabar sobre si. Urge evitar que o fim sobrevenha sem que encontre a paz.

E assim parte na companhia de Makovítski, com as sombras da noite como silenciosas cúmplices. A sua fragilidade física agudiza-se durante a fuga e atinge o auge ao chegarem à estação de Astápovo, a última estação, a última paragem antes da morte de Lev Nikoláevitch. Sacha pressente-o antes de todos ao dizer que parecia que tinham chegado ao fim do mundo. Era realmente o desfecho da busca aventurosa de liberdade neste mundo. Aproximava-se a maior aventura de todas e Tolstói acolheu-a com um sorriso nos lábios.

sexta-feira, 5 de junho de 2009

RETRATOS DO MUNDO FLUTUANTES

Uma das obras fantasticas das pinturas japonesas, me influenciou muito ao longo dos meus estudos de pintura, é a tecnica Ukiyo-e, orginada no periodo Edo do japão, apesar das pinturas serem complexas, pois até mesmos os artistas talhavam as imagens na madeira. tento reproduzir os desenhos em tela que não é nada dificil, mas a pintura é horrivelmente dificil por tantos detalhes



Redação: Priscila Faria
Imagens: ukiyoe gallery


História do Ukiyo-e
"Ukiyo-e é uma palavra japonesa, cujo significado é "retratos do mundo flutuante". Apenas pelo nome vemos que a expressão traz a idéia de algo transitório, e os temas pintado por grandes artistas do periodo feudal do Japão, e tambem na atualidade, passam a mesma idéia. Os temas eram diversificados, eram desenhos que retratavam a vida na época, como o caminhar de pessoas nas vilas, casas sofisticadas, belas cortesãs, gueixas, samurais e a natureza, como paisagens do monte fuji e da cidade antiga Edo (atualmente tóquio).

A arte teve inicio no começo do periodo Edo (1603 - 1867), os primeiros temas preferidos dos artistas eram as mulheres japonesas e os atores de kabuki e logo após originou-se o a paisagens que ganharam espaço entre os artistas e especificamente foi nesta etapa que o Ukiyo-e passou a ter mais luxo, e as riquezas nos traços, dando equilibrio das cores.
Tudo começou por Hishikawa Moronobu (1618-1694) que buscou inspiração nas belas prostitutas japonesas de Edo, onde ilustrou até mesmo cenas de sexo entre as mulheres, apesar de as vezes alguns serem punidos por pintarem a tecnica (Shunga-e) cenas de relacionamentos particulares.
Ukiyo-e sao pinturas vindas da tecnica de xilogravuras, as ilustraçoes eram talhadas e pintadas em blocos de madeira, e somente alguns tempos depois com mais adeptos a arte o trabalho passou a ser feito no papel. No começo apenas usava-se tintas indianas, e logo depois desenvolveu-se para a tecnica de impressão policromica (nishiki-ê)
Os interessados pelas obras eram diversos, dentre camponeses a burgueses, mas os compradores eram os burgueses e imperiais. a arte era usada tambem para ilustrarem livros chamados (livro das ilustrações) e depois ganhando mais fama, eram utilizados para cartazes para o teatro kabuki, calendários e cartões.
Hiroshige e Hokusai foram grandes artistas do periodo, pelos estudos em outras pinturas como as européias, outros temas além das paisagens e cenas japonesas foram adquiridas. Na era Meiji, o mercado ocidental foi ao Japão, onde chegou a câmera fotografica antiga, e assim o ukiyo-e foi sendo perdido ao longo dos tempos, mas foi de grandes influências para artistas impressionistas da europa, onde chamaram a tecnica de (japonismo).
A arte marcante ainda é adquiridas por mangakas, utilizando o movimentos em seus mangas.
"








(Site pedagogico iper completo para maior entendimento da pintura, infelismente é todo em ingles, mas só ir em um ipermega tradutor e pronto. http://www.ukiyoe-gallery.com/gallery2.htm )