domingo, 21 de junho de 2009

Pintor da escuridâo



Nós portoes da dor e tristeza
Onde o destino naquele dia me esqueceu;
No velho que lá adoeceu
E seu destino bom desceu

Sou aquele pintor, que pinta por diversão
Nas trevas pintei;
Pelos pinceis retratos malditos criei
E mui devora o meu proprio coração

Onde atingi a velha perfeição suprema
Súbito dia que aparece o sol que brilha
Fantasma maldito és de dor intensa
Chegamos e atingimos a imperfeição extrema.

Sabe aquele pintor que fui
Que pintava escuridâo e surgia a dor
E que pegou o fogo e sentiu seu intenso odor
E no final a escuridão adornada com a solidão reluz.

Oh! Que desgraça fiz
Quem ha de perdoar-me
Nem aquele que estremeceu e palpita
E, dando redia a minha perna favorita.

PF

Nenhum comentário:

Postar um comentário