sexta-feira, 8 de abril de 2011

Do chá da tarde

Foi exatamente o que me disseram, que para não enlouquecer preciso deixar que tudo aja por si só, sem que eu faça absolutamente nada para deter os meus passes, talvez, esses nao saibam que há mais no dentro do que no fora, inclusive no meu. Se bem que faz sentido, e há certeza, com exclamação no final da frase, enquanto eles tem que aturar minha genialidade de submeter a tudo e ele tem que aturar predizerem o futuro sem saber do passado. É um detalhe pequeno, um pequeno detalhe, e um detalhe de pequena vida, ou talvez uma vida de pequeno detalhe.

Um comentário: