sábado, 30 de outubro de 2010

Sei la quem sou

Será que sou um reflexo?
uma miragem, talvez uma paisagem
Ou apenas uma montagem
De um teatro alucinado sem cor
Ou uma vida sem dor ou amor

Sei lá de que lar
Sou o externo que sofre sem ver o interno
uma mente atordoada sem o inferno
aquele que revela o que não deveria revelar
Que sofre sem amar e vive sem desejar.

Sou como uma estatua sem vida
um desabafo da silenciosa solidão
A unica estatua que não se creem
uma estatua sem retidão
uma que tampam os olhos para não verem.

Sei la o que sou!
Não sei onde foi meu resgatador
é como uma vida sem rumo, torta
Num mundo de pessoas torvas
sou um pecador como todos os alucinado
sem amor, aprendendo o terror
de nunca ser olhado.

Priscila Faria

Nenhum comentário:

Postar um comentário