segunda-feira, 22 de agosto de 2011

Qua mundo é esse?

Desde quando existe o posso.
O que eu posso? Um proletario fudido pela incapácidade governamental
O que eu posso? Me disseram para falar verdade; que escreveram.

Me ditaram a verdade; uma verdade ditada é verdade?
Eu não posso. Voce não pode
Nos não podemos ir contra os porcos.
Putos e fodidos são estes. Ditadores monumentais
Com pele em corrupção. Estrupadores e extorquidores
Eu não posso. Voces tambem não podem, nos não podemos droga nenhuma contra eles.
O que são os proletarios.
Destroçados, açoitados diariamente pelo capetalismo insano e obcessivo de uma sociedade
E onde esta a sociedade. Na boa! Não esta.

Esta muito bem escondido,
No bolso dos ditadores, porcos.
E a criança mulambenta! E os velhos caqueticos!
Estes: Há de contentar-se com os serviços publicos.
Vaselina na veia, leite passado; no lugar do livro escolar.
Sociedade? Esta muito bem escondida nos bolsos dos coletores do oba-oba.
Impostos muito bem camuflados nos adornos das donas porcas.
Entretanto as putas que se contentem com os porcos e os baseadinhos como presentes.
Povo? Sociedade?
Palavras quais não existem no vocabulario.
Convivencia publica, compartilhação, remedios, atenção, mas que caralho é isso?
Moralidade publica onde esta?
Não, Não.

2 comentários:

  1. Gostaria de saber que tipo de poemas/prosa voces escrevem, se tem algo a haver com os textos marginais, abraços.

    ResponderExcluir
  2. Eu escrevo qualquer coisa que eu acho! Se tem eu não sei!

    ResponderExcluir